Google+ Followers

Google+ Followers

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

HÁ QUEM QUEIRA


Strike Global Services recrute trois généraux 2S comme conseillers stratégiques


lignesdedefense.blogs.ouest-france.fr

Strike Global Services, la société fondée en 2010 par Pier de Jong, Jérôme Paolini (ancien conseiller de François Fillon) et la société Ike (dirigée par Camille Roux), vient de recruter trois officiers généraux français de 2e section. Ils feront fonction de conseillers stratégiques dans le cadre d’une mission temporaire de “4 mois”. Leur mission: “débusquer des élargissements d’action”, selon l’un d’entre eux.

Il s’agit:
- du général Philippe Bonnet, ancien commandant des écoles de l’armée de terre de 2009 à 2011,
- du général André Cellier, commandant de la force logistique terrestre de 2008 à 2009,
- de l’amiral Gérard Valin, ALINDIEN à partir de 2008.
Strike Global Services a pour objet “la coopération dans les domaines de la sécurité, de la défense et de la protection des personnes, des biens et des organismes et institutions”. La société est présente à Djibouti où elle forme des unités de l’armée en vue de leur déploiement au Darfour et en Somalie. Elle vient de signer un contrat de formation avec la Mauritanie.
Pier de Jong et ses associés ont fondé, au printemps dernier, la société Sovereign Global Solutions Ltd. Cette société de droit britannique basée à Londres, se présente comme “un opérateur de souveraineté, fournisseur de conseils et d’assistance aux Etats ou à des entreprises mandatées par des Etats ou des organismes supra-nationaux”. Ses premières activités sont localisées dans l’océan Indien.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

A CARTA

A CACINE agradece ao distinto Oficial que nos enviou este exemplar da carta que tanta polémica e indisposição está a dar .

Repare-se que nem o posto do destinatário é mencionado, ao contrário do do signatário.

Para onde nos estão levando......

TO REMEMBER


Decreto-Lei n.º 353/73
de 13 de Julho

Considerando-se de necessidade para o Exército alargar as suas possibilidades de preenchimento dos quadros em oficiais do quadro permanente, e de justiça para aqueles que, como militares do complemento, melhores provas têm dado no ultramar no desempenho de funções militares;
Considerando que, dada a sua anterior preparação e experiência militar, se julga possível um encurtamento dos períodos escolares mediante uma intensificação dos mesmos;
Usando da faculdade conferida pela 1.ª parte do n.º 2.º do artigo 109.º da Constituição, o Governo decreta e eu promulgo, para valer como lei, o seguinte:
Artigo 1.º - 1. Os oficiais do quadro especial de oficiais (Q. E. O.) podem transitar para os quadros permanentes das armas de infantaria, artilharia e cavalaria mediante a frequência, na Academia Militar, de um curso intensivo, equivalente para todos os efeitos aos cursos normais professados ao abrigo do Decreto-Lei n.º 42151, de 12 de Fevereiro de 1959.
2. São condições de admissão ao curso:
a) Ter o posto de capitão ou subalterno;
b) Ter menos de 31 anos em 1 de Janeiro do ano de admissão;
c) Possuir o 7.º ano dos liceus ou habilitações legalmente equivalentes;
d) Ter boas informações.
Art. 2.º - 1. O curso criado pelo presente diploma, cujos planos constarão de portaria do Ministro do Exército, é constituído por dois semestres lectivos consecutivos, seguidos de seis meses de serviço nas respectivas escolas práticas, podendo apenas um dos semestres do curso ser repetido, e por uma só vez.
2. Os oficiais que não concluam o curso com aproveitamento mantêm a sua situação no quadro especial de oficiais (Q. E. O.).
3. Anualmente será fixado, por despacho ministerial, o número de oficiais a admitir a este curso.
Art. 3.º Os oficiais a que se refere o artigo 1.º, findo o curso, ingressam no quadro permanente da respectiva arma, mantendo ou obtendo a antiguidade de tenente referida a 1 de Dezembro do ano em que foram ou seriam promovidos a este posto, como oficiais de complemento.
Art. 4.º - 1. Para efeitos de antiguidade, os oficiais habilitados com o curso a que se refere o artigo 1.º são considerados mais modernos que os restantes oficiais da sua arma com a mesma antiguidade de tenente.
2. A antiguidade relativa dos oficiais habilitados com o curso referido no n.º 1 é determinada pela antiguidade de tenente e, em caso de igualdade desta, pela classificação final do curso obtido nos termos do artigo 59.º do Decreto-Lei n.º 42151, de 12 de Fevereiro de 1959, com a redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 516/70, de 3 de Novembro.
Art. 5.º Aplicam-se aos oficiais do quadro especial de oficiais (Q. E. O.) que frequentem na Academia Militar o curso constante do artigo 1.º as disposições do Decreto-Lei n.º 42151, de 12 de Fevereiro de 1959, relativas à frequência e aproveitamento, que não sejam contrárias às disposições deste diploma.
Art. 6.º O disposto no artigo 3.º tem aplicação aos oficiais que terminaram ou venham a terminar, com aproveitamento, os cursos da Academia Militar ao abrigo das disposições do Decreto-Lei n.º 42151, de 12 de Fevereiro de 1959, do Decreto-Lei n.º 44184, de 10 de Fevereiro de 1962, do Decreto-Lei n.º 45302, de 11 de Outubro de 1963, e do Decreto-Lei n.º 48254, de 21 de Fevereiro de 1968, sendo revogadas as determinações em contrário constantes dos citados diplomas.
Art. 7.º Os oficiais abrangidos pelas disposições dos artigos 3.º e 6.º são considerados supranumerários permanentes aos respectivos quadros quando promovidos a oficial superior e até ao posto de coronel, inclusive.
Art. 8.º Ao quadro especial de oficiais (Q. E. O.), e com vista ao futuro ingresso no curso a que se refere o artigo 1.º, podem concorrer os oficiais de complemento que reúnam as condições expressas no Decreto-Lei n.º 49324, de 27 de Outubro de 1969, e neste diploma, e a título condicional, os que, satisfazendo àquelas mesmas condições, tenham mais de dezoito meses de comissão militar no ultramar.
Art. 9.º Os encargos resultantes da publicação deste diploma são suportados, no corrente ano, pelas disponibilidades da verba geral destinada a cobrir os encargos com o pessoal militar por motivo dos quadros não se encontrarem preenchidos.
Art. 10.º As dúvidas que surgirem na aplicação do presente decreto-lei são resolvidas por despacho ministerial.
Visto e aprovado em Conselho de Ministros. - Marcello Caetano - Horácio José de Sá Viana Rebelo - Manuel Artur Cotta Agostinho Dias.
Promulgado em 29 de Junho de 1973.
Publique-se.
O Presidente da República, AMÉRICO DEUS RODRIGUES THOMAZ.
Aceder ao sítio da I.N.C.M.

ÁS ARMAS

Já anda tudo doido , com o cancelamento, para uns, e redução drástica, para outros, do "complemento de reforma".
A realidade é que o ministro aguiar hifen branco, na sua galopante cavalgada para humilhar a Instituição Militar e destruir as Forças Armadas, vai conseguindo os seus intentos com a passividade total, ao que se sabe e se vê, dos Chefes Militares.
A guarnição da CACINE nunca se ofuscou com as Associações dos Militares e sempre confiou no CEMA como defensor dos direitos, dos Valores, da Dignidade dos Marinheiros, mas temos de concordar que a cumplicidade com o ministro, o silêncio que se ouve a milhas de distância, as incompreensíveis situações que diariamente acontecem , causam estranheza, por maior simpatia e respeito que tenhamos pelo Senhor Almirante.
Recorde-se o célebre despacho 353/73, do então Ministro General Sá Viana Rebelo. O Senhor, então, também pensava que podia fazer o que lhe apetecia e mostrava uma arrogância inenarrável. Mesmo assim teve de recuar , e engolir o despacho...só que foi tarde demais.
Seria prudente que os Chefes Militares ponderassem pedir a  saída, de uma forma tranquila e sem especulações públicas, deste habitante, que só tem desprestigiado os Militares, e prejudicado tanto as carreiras futuras, como, e principalmente, a falta de respeito que mostra para com quem tudo deu à Pátria (coisa que parece desconhecida!!!)

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

A DEMOCRACIA ...de Bernardino


Google ha logrado abrir una brecha en el reino ermitaño por la que han quedado al descubierto varios de los cientos de campos de prisioneros que el régimen stalinista, sigue manteniendo y en los que, según las organizaciones de derechos humanos, se encuentran internadas unas 200.000 personas. Varios activistas han ayudado al gigante estadounidense a situar los gulags, según se reconoce en el blog oficial de Google Maps, que indica que estos "ciudadanos cartógrafos" han utilizado el confeccionador de mapas Google Map Maker para introducir los datos.
Hasta ahora los mapas de Corea del Norte eran como un erial, en el que solo se trazaban las fronteras, la capital y poco más. Ni una carretera, ni las líneas de ferrocarril, ni aeropuertos, ni pueblos. Durante años, Google ha ido recopilando información e integrándola en el mapa del país asiático que finalmente ha hecho público.
La aparición del mapa de Corea del Norte llega cuando no se han cumplido ni tres semanas de la sorprendente visita de Eric Schmidt, presidente ejecutivo de Google, a Pyongyang. En la conferencia de prensa posterior a su viaje, Schmidt indicó que había tratado de convencer al régimen norcoreano de la importancia de Internet y de la conveniencia de estar conectado a esta red global para impulsar la recuperación económica de Corea del Norte, uno de los pocos países cerrados a cal y canto a Internet.
Schmidt no fue recibido por Kim Jong-un, pese a que el líder norcoreano, que asumió el poder en diciembre de 2011 tras el fallecimiento de su padre, se ha declarado muy preocupado por mejorar el nivel de vida de la población. Corea del Norte sufrió en los últimos años del pasado siglo una terrible hambruna que diezmó la población y que finalmente llevó a régimen a aceptar la ayuda humanitaria de la ONU y de varios países. Kim Jong-un, que según la inteligencia surcoreana ha dado muestras de cierto aperturismo, es un amante de los videojuegos y afirma ser un fan del ratón Mickey.
"Durante mucho tiempo, Corea del Norte ha sido una de las zonas más vastas de la Tierra con datos limitados en la cartografía. Hoy hemos puesto remedio", afirma Jayanth Mysore en el blog de la empresa.
En los nuevos mapas se pueden apreciar escuelas, hoteles, hospitales, mercados y parques de Pyongyang, así como el recorrido del río Taedong que atraviesa la capital. Fuera de la ciudad, también se aprecian aeropuertos, una refinería y otras poblaciones urbanas, así como manchas grisáceas que representan campos de internamiento.
A 100 kilómetros al noreste de Pyongyang sale marcado el campo número 18, identificado como uno de los gulags. Organizaciones de derechos humanos como Amnistía Internacional denuncian entre otras prácticas que los norcoreanos que huyen del régimen y son descubiertos por China, que los devuelve de inmediato "corren grave peligro de ser detenidos arbitrariamente, sufrir tortura y otros malos tratos, ser sometidos a desaparición o trabajo forzoso e incluso a morir".
Según los activistas, los prisioneros de los campos de internamiento trabajan largas jornadas por una simple ración de comida. Con frecuencia, sus familias también son trasladadas a estos terribles gulags.
Hace una semana, el régimen autorizó a los escasos extranjeros que viajan a ese país a entrar con sus móviles. Hasta ahora eran obligados a dejarlos al llegar en la aduana norcoreana. Además, se les permite realizar llamadas internacionales si adquieren una tarjeta SIM.
La noticia la ha dado la agencia oficial china Xinhua, que cita sin indicar su nombre a un empleado de la empresa mixta egipcia-norcoreana Koryolink, la única que opera en el país. China es el principal socio del régimen de Kim Jong-un y casi la totalidad de los comerciantes y hombres de negocios que viajan a Pyongyang o cruzan la frontera común son chinos.
"Solo hay que rellenar un formulario de inscripción en la aduana con el número del teléfono y se puede entrar con el aparato", dijo a la agencia oficial china Xhinhua un técnico de Koryolink, la empresa mixta egipcia-norcoreana que opera los móviles existentes en ese país. La medida, que afecta a todos los extranjeros sean hombres de negocios o turistas -no está claro si los periodistas se podrán beneficiar también- fue adoptada el pasado 7 de enero. Además, el técnico anunció la venta de tarjetas SIM para llamadas internacionales por 50 euros.
Los ciudadanos tiene prohibido realizar llamadas al extranjero y, de hacerlas, ha de ser con autorización y a través de operadora. Hasta ahora, los extranjeros tampoco podían llamar directamente a otro país y tenían que hacerlo a través de operadora.

O lider Parlamentar do PCP e Candidato à Câmara de Loures tem opinião de a Coreia do Norte ser uma exemplar democracia

ISTO É BOM


C’est escortée par les jets d'eau des remorqueurs et avec deux amiraux à bord que la première frégate multi-missions de la Marine nationale est arrivée hier à Toulon. Un évènement pour la grande base navale varoise puisque, si l’Aquitaine commence à être bien connue sur la façade atlantique, elle réalise actuellement sa première incursion en Méditerranée. Symbole du renouvellement de la plupart des frégates de premier rang de la flotte française, la nouvelle FREMM suscite donc, comme on peut s’en douter, le plus grand intérêt des marins toulonnais.
Commandé par le capitaine de vaisseau Benoît Rouvière, le bâtiment a été rejoint, avant son entrée dans la rade, par le vice-amiral d’escadre Yann Tainguy, préfet maritime de la Méditerranée, ainsi que le vice-amiral d’escadre Xavier Magne, commandant de la Force d’Action Navale. Un accueil très « étoilé » qui démontre l’importance que la marine accorde à ce programme, considéré comme essentiel pour lui permettre d'assurer ses missions.

Nota: lá não têm ministros como o nosso, et pour cause.....

Ziens oude koningin


A Rainha Beatriz da Holanda anunciou hoje numa mensagem televisiva à Nação que vai renunciar após 33 anos de reinado.

É o seu filho mais velho, o príncipe Guilherme Alexandre, de 45 anos, que irá herdar o trono e tornar-se no primeiro rei em mais de cem anos, depois de Guilherme III que reinou até à sua morte em 1890.
Num breve e emotivo discurso a partir do Palácio Huis ten Bosh, a Rainha Beatriz disse que "a responsabilidade deve estar agora nas mãos de uma nova geração", agradeceu ao povo holandês e reconhece que Guilherme e a sua esposa, Máxima Zorreguieta, "estão preparados para esta tarefa".
O príncipe Guilherme e a ex-banqueira Máxima Zorreguieta, nascida na Argentina, casaram-se a 2 de fevereiro de 2002 e têm três filhas: Amália, Alexia e Ariane.
Uma das monarcas europeias mais populares e a mais antiga na Holanda, mãe de três filhos (Guilherme, Friso e Constantino), completa 75 anos na quarta-feira. Beatriz subiu ao trono a 30 de abril de 1980 após a abdicação de sua mãe, a rainha Juliana (1909-2004) e vai cessar funções a 30 de abril de 2013.
O primeiro-ministro Mark Rutte, um monarca convicto, prestou homenagem à rainha Beatriz numa declaração imediatamente a seguir ao anúncio da renúncia.
"Desde a sua coroação, em 1980, ela envolveu-se de corpo e alma na sociedade holandesa", afirmou.





segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

ADEUS AMIGO

Um abraço, Jaime Neves, como tantos que demos

PUPILOS NA ARMADA

Fonte RA.
Nota: Uma pequena homenagem da CACINE aos Pupilos do Exercito e aos Oficiais ilustres que forneceu à Armada

ORA AÍ ESTÁ

Mário Nogueira tem 31 anos de carreira. Onze deles passou-os a ensinar. O resto foi dedicado a esse extraordinário sindicato (ou será "think tank"?) da Educação que dá pelo nome de Fenprof. Mário Nogueira, efectivo na escola da Pedrulha desde 2006, mediante o regime de "ponderação curricular" (aplicável a docentes destacados em sindicatos e outros organismos e que não leccionam), foi avaliado. Com "Bom". Ao "Correio da Manhã", Nogueira explicou assim o processo: "Fui avaliado com base num relatório de toda a actividade desempenhada na Fenprof, acções de formação que realizei, conferências e congressos em que participei, artigos que escrevi na comunicação social, tudo". Tudo menos ensinar. Afinal é para isso que os professores servem, não é?

O processo é irregular? Não. A lei permite coisas destas: ao abrigo deste regime, as funções de dirigente sindical são consideradas "de relevante interesse social" ("whatever that means") e pesam 15% na avaliação. O resto vem das habilitações (10%), experiência profissional (30%) e valorização curricular (30%). Experiência de ensino? Nicles

Dir-me-ão que a lei quer evitar que um sindicalista seja prejudicado na carreira. Compreendo. Mas, então, a lei está obsoleta: devia criar uma nova carreira, que não de docente, que se aplicaria a Nogueira e a alguns "dinossauros" que fazem do sindicalismo um modo de vida. Ou então obrigar os sindicalistas a voltarem, periodicamente, ao ensino. Para poderem ser avaliados como docentes. Porque não acredito que quem passa 20 anos naquela vida saiba muita coisa sobre o que deve ser a Escola moderna.

Camilo Lourenço, in J.de Negócios

Até que enfim alguém escreve esta decência, ou indecência......Mas vai continuar tudo na mesma, estejam descansados


sábado, 26 de janeiro de 2013

INTERESSADO?



Mas não é para fazer greves tontas depois!!!

AGUENTA MARUJO

Olha lá, oh tu , militar de trampa, que estás na Reforma....e já nada me podes prejudicar.

És um chulo do Estado, de modo que pega lá o meu despacho 275 de 3 de Dezembro 2012 sobre o cálculo do complemento de reforma e vai chorar prás escadas.....

Esclarecimento da AOFA:

Durante o mês de Janeiro, muitos militares que vinham auferindo o Complemento de Pensão de Reforma (CPR) pago pelo orçamento dos Ramos foram surpreendidos pela chegada de um ofício anunciando a redução ou mesmo a eliminação do que vinham recebendo, sendo invocado um despacho do MDN a que os CEM’s deram sequência.
Muitos desses camaradas já não receberam o CPR no mês de Janeiro.
Os atingidos pela medida são os que ainda não tinham completado os 70 anos ou, tendo isso acontecido, se encontravam a receber a pensão transitória de reforma pelo Ramo a que pertencem.
Recorda-se que há, legalmente estabelecidos, 2 complementos de pensão de reforma (CPR):
-Um pago pelo orçamento do Ramo, até aos 70 anos, altura em que devia ser recalculado o valor da pensão de reforma (processo que teria em consideração a pensão propriamente dita mais o CPR que vinha auferindo);
-O outro, a partir dos 70 anos, pago pelo Fundo de Pensões dos Militares (FPM), quando a pensão de reforma baixar dos 80% da remuneração de reserva do oficial em iguais circunstâncias (posto, tempo de serviço militar, escalão/posição remuneratória).
Com o OE/2011 verificou-se a redução remuneratória para os militares no activo e na reserva (e também para os funcionários públicos), (por exemplo, entre 9 a 10% para os COR), redução que se manteve em 2012 e 2013.
A referência que, na sequência do despacho do MDN, os CEM’s aplicaram aos que recebiam o CPR até aos 70 anos, foi alterada este ano para a remuneração de reserva reduzida (o que não acontecia até agora).
Tudo leva a crer que se esteja perante um despacho do MDN sem fundamento legal (ver, por exemplo, a redacção do artigo 9º do DL 236/99, com a formulação que lhe foi dada pela Lei nº 34/2008).
Julga-se, por outro lado, que o MDN procurará estender (se é que não o fez já) os efeitos do despacho aos CPR pagos pelo FPM.
Em cima desta medida os militares vão ser confrontados com a dupla penalização que constitui a contribuição extraordinária de solidariedade (e da taxa que a acompanha, acima de determinados rendimentos), se esta não for chumbada pelo Tribunal Constitucional. Dupla penalização que já vinha acontecendo com os camaradas mais recentemente reformados e que tinham visto a respectiva pensão ser fixada com base na remuneração reduzida que vinham auferindo (situação a que a AOFA procurou e procura fazer frente, como pode ser verificado na memória pública que a nossa página constitui). .......



....

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

SERÁ QUE É SEGREDO?

Já aqui , ao dar a notícia, pusemos a questão.

Mas será que é normal um Ministro da Defesa Nacional ir presidir à posse de um Contra Almirante?

Mas será que é normal , nessa cerimónia, falarem somente o empossado e o Ministro da Defesa Nacional?

Mas foi o que aconteceu neste nosso pobre País e nesta nossa Marinha.

Na posse do novo Director do Instituto Hidrográfico.

O ministro aguiar hifen branco foi à posse e falou. Só ele

Acham normal????? Ninguém diz nada????O Almirantado não se espanta?????


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

SUBSTITUINDO O MORTO


 

 A) CONSULTAS DE ESPECIALIDADE, QUE IRÃO MIGRAR PARA A  UNIDADE
HOSPITALAR DO LUMIAR, E RESPECTIVO HORÁRIO, A PARTIR DE 01FEV13:
      - ORL
        - CONSULTA DIÁRIA - REFERENCIADA POR MARCAÇÃO (MANHÃ E TARDE)
        - URGÊNGIAS - APÓS OBSERVAÇÃO NO SERV. URGÊNCIA OU EM 
          CONSULTA DE TRIAGEM NO HFAR, E DEVIDAMNETE ENCAMINHADAS 
          PARA A CONSULTA DE ORL
        - CONSULTAS DE INSPECÇÃO PARA ESPECIALIDADES NAVAIS
          ESPECÍFICAS - MERGULHADORES, SUBMARINISTAS E FUZILEIROS À 
         2ª FEIRA À TARDE - CONSULTA PERSONALIZADA PELA 7100603 1TEN
         MN CARLA AMARO, EFECTUADA POR MARCAÇÃO.
 
      - OFTALMOLOGIA
        - CONSULTA DIÁRIA (MANHÃ E TARDE), REFERENCIADA E POR
          MARCAÇÃO.
        - URGÊNCIA APÓS TRIAGEM PELO SERVIÇO DE URGÊNCIA DO HFAR OU
          CONSULTA PARA ESSE FIM.
 
      - GINECOLOGIA
        - CONSULTAS ÀS 2ª, 3ª, 4ª E 6ª FEIRAS, POR MARCAÇÃO E 
          DEVIDAMENTE REFERENCIADAS.
        - CONSULTA DE OBSTETRICIA - CONSULTA POR MARCAÇÃO,
          DIRECTAMENTE COM EQUIPA DE ENFERMAGEM DO SERVIÇO 
        - TELEF 21 751 96 80
        - TELEF INTERNO: 508135 / 508137
 
      - CIRURGIA GERAL
        - DIÁRIAMENTE MANHÃ E TARDE, EXCEPTO 2ª E 3ª FEIRA MANHÃ E
          5ªFEIRA À TARDE, CONSULTAS POR MARCAÇÃO, REFERENCIADAS.
        - URGÊNCIA APÓS TRIAGEM OU CONSULTA NO SERV. URGÊNCIA U.H.
          ESTRELA TELEF INTERNOS: 508730 / 508731 / 508728
      
      - CIRURGIA PLÁSTICA 
        - DIÁRIAMENTE MARCAÇÃO REFERENCIADA USANDO OS MESMOS MEIOS 
          QUE A CIRURGIA GERAL
 
      - NEUROLOGIA
        - AGUARDA-SE ENVIO DE INFORMAÇÃO.
 
      - MEDICINA INTERNA
        - AGUARDA-SE ENVIO DE INFORMAÇÃO.
 
2. B) CONSULTAS DE ESPECIALIDADE QUE IRÃO MIGRAR PARA A U. H. DA
ESTRELA, A PARTIR DE 01FEV13 E QUE SE PREVÊ TRANSITEM PARA A U.H. DO
LUMIAR EM 31MAR13:
      - ORTOPEDIA
        - CONSULTAS - POR MARCAÇÃO E REFERENCIAÇÃO:
          2ª FEIRA - 08.30H
          3ª, 4ª E 5ª FEIRA - 08.30H E 14H
          6ª FEIRA - NÃO HÁ CONSULTA
        - URGÊNCIAS, APÓS OBSERVAÇÃO NO SERVIÇO URGÊNCIA OU EM
          CONSULTA DE TRIAGEM.
          CONTACTOS: TELEF 213 947 737 / INTERNO 429440 / 429448
NOTA: PREFERENCIALMENTE A 1ª CONSULTA DEVE SER MARCADA
PRESENCIALMENTE, DEVENDO SER ACOMPANHADO COM DOCUMENTAÇÃO PESSOAL O
MAIS COMPLETA POSSÍVEL (BI/CC/NC/ADM/Nº UTENTE/OUTROS)
 
      - PSIQUIATRIA
        - DIÁRIAMENTE: 9-13H E 14-16.20H; REFERENCIADAS, MARCAÇÃO
          PRESENCIAL, OU TELEFONE.
        - CONSULTAS SEM MARCAÇÃO EXCLUSIVAMENTE PARA MILITARES DO 
          ACTIVO, ACOMPANHADOS POR GUIA DE MARCHA E DEVIDAMENTE 
          REFERENCIADOS:
          2ª E 6ª FEIRA ENTRE AS 09 - 12H.
         - CONSULTAS URGENTES: DIÁRIAMENTE, DAS 09H-12H E 14-15H, EM
          DOENTES REFERENCIADAS INTERNA OU EXTERNAMENTE
         - ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROCESSOS DE STRESS PÓS -
           TRÁUMÁTICO: SERVIÇO DE PSIQUIATRIA - GRUPO DO STRESS PÓS
           TRÁUMÁTICO - QUE POSTERIORMENTE CONVOCA OS MILITARES / EX
          MILITARES.
           CONTACTO: GERAL  - 21 394 76 00
           SERVIÇO DE PSIQUIATRIA - 21 394 77 11
 
      - CIRURGIA GERAL
        - DIÁRIAMENTE, MANHÃ E TARDE - POR MARCAÇÃO E DEVIDAMENTE
          REFERENCIADAS.
        - URGENTES - APÓS TRIAGEM ATRAVÉS DO SERV. URGÊNCIA OU
          CONSULTA DE TRIAGEM.
          CONTACTO: TELEF 21 394 7672
          TELEF INTERNO: 429157
 
      - UROLOGIA
        - 2ª FEIRA - CONSULTA DE ANDROLOGIA DE 15/15 DIAS
        - 3ª FEIRA - 14H
        - 4ª E 5ª FEIRA - 09H
        - 6ª FEIRA - EXAMES COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO
        - URGÊNCIAS - APÓS REFERÊNCIA PELO S. URGÊNCIA - U.H. ESTRELA
          OU POR CONSULTA DE TRIAGEM.
        - AS CONSULTAS REALIZAM-SE POR MARCAÇÃO, E POR REFERENCIAÇÃO.
          TELEF - 213 947 750
          TELEF. INTERNO - 429 490
 
3.CONSULTAS DE ESPECIALIDADE QUE IRÃO MIGRAR, TEMPORARIAMENTE, PARA A
U. H. DA ESTRELA, A PARTIR DE 01FEV13
      - PSIQUIATRIA
        - DIÁRIAMENTE 9 - 13H E 14 - 16.20H; REFERENCIADAS, MARCAÇÃO
         PRESENCIAL, OU TELEFONE.
        - CONSULTAS SEM MARCAÇÃO EXCLUSIVAMENTE PARA MILITARES DO
          ACTIVO, ACOMPANHADOS POR GUIA DE MARCHA E DEVIDAMENTE 
          REFERENCIADOS:
          2ª E 6ª FEIRA ENTRE AS 09 - 12H.
        - CONSULTAS URGENTES: DIÁRIAMENTE, DAS 09H - 12H E 14 - 15H,
         EM DOENTES REFERENCIADAS INTERNA OU EXTERNAMENTE
        - ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROCESSOS DE STRESS PÓS -
          TRÁUMÁTICO: SERVIÇO DE PSIQUIATRIA - GRUPO DO STRESS PÓS 
          TRÁUMÁTICO - QUE POSTERIORMENTE CONVOCA OS MILITARES / EX
          MILITARES.
          CONTACTO: GERAL  - 21 394 76 00
          SERVIÇO DE PSIQUIATRIA - 21 394 77 11

Fonte:RP/AOFA agradecido

A IR


GOVERNOS DE
INICIATIVA PRESIDENCIAL

DATA: 29 Janeiro, 2013
HORA: 18h30
LOCAL: El Corte Inglés, Lisboa
Na sequência da publicação do segundo número da revista “DIREITO E POLÍTICA”, a DIÁRIO DE BORDO EDITORES gostaria de convidá-lo(a) a estar presente no debate “GOVERNOS DE INICIATIVA PRESIDENCIAL”, que terá lugar no próximo dia 29 DE JANEIRO, pelas 18H30, no Restaurante, Piso 7, do EL CORTE INGLÉS em LISBOA.
| inscrições |
É necessário confirmação até ao dia 28 DE JANEIRO, para a revista "DIREITO E POLÍTICA" para Francisca da Franca, através do telefone: 219 833 051 ou do E-mail: geral@direitoepolitica.pt.


Jorge Miranda
Marcelo Rebelo de Sousa
Manuel Monteiro
Paulo Otero

1ª MESA


Estas conclusiones podrían cambiar las futuras estrategias de adelgazamiento, que deberían tener mucho más en cuenta el momento de la comida y no solo el consumo de calorías, como se había creído hasta ahora, según informa la agencia Sinc.

"Nuestros resultados indican que aquellos individuos que retrasan hasta tarde la comida principal del día -después de las 15:00 horas- muestran una pérdida de peso significativamente menor que los que comen más temprano", explica Marta Garaulet, catedrática de Fisiología de la Universidad de Murcia y autora principal del estudio. Por otra parte, Frank Scheer, neurocientífico de la Escuela de Medicina de Harvard y autor sénior del estudio, destaca que futuras estrategias terapéuticas de adelgazamiento deberán tener en cuenta el momento de la comida y no solo el consumo de calorías y de macronutrientes, como se ha venido haciendo hasta ahora. Este estudio será publicado en febrero en la revista International Journal of Obesity.

LA CENA Y EL DESAYUNO, APENAS INFLUYEN
Para llevar a cabo la investigación se ha contado con 420 participantes con sobrepeso que siguieron durante 20 semanas un tratamiento para adelgazar basado en la dieta mediterránea. Posteriormente, se les dividió en dos grupos: los que comían temprano y los que lo hacían más tarde, de acuerdo con los horarios de referencia españoles para la principal comida del día -donde se ingiere el 40% de las calorías diarias totales.

Otros de los resultados obtenidos por los investigadores demuestran que el horario del desayuno y de la cena -comidas más pequeñas y menos energéticas- apenas influye en la pérdida de peso. Sin embargo, los comedores tardíos, quienes perdieron menos peso, también consumieron menos calorías durante el desayuno y eran los que se lo saltaban con más frecuencia.

Los investigadores han examinado también otros factores que desempeñan un papel importante en la pérdida de peso, tales como la ingesta de energía y el gasto, las hormonas del apetito y la duración del sueño. Sorprendentemente, se ha constatado que todos estos factores influyeron de manera similar en los participantes de ambos grupos. Sin embargo, los comedores tardíos resultaron ser más nocturnos y presentaron con más frecuencia una variante en el gen clock, encargado de codificar una proteína implicada en el reloj circadiano, que marca los horarios de nuestro organismo. 

Nota: Afinal quem instituiu o horário do almoço dos "Praças"  era um génio

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

INTERESSADOS?


A Comissão Europeia abriu vagas para o seu programa de estágios remunerados que vai ter início a partir de Outubro.A partir de 1 de Outubro, 650 estagiários vão ter o privilégio de começar a colaborar numa organização que serve mais de 500 milhões de habitantes em 27 países.
O período de candidatura vai ter lugar até ao dia 31 de Janeiro, com a pré-selecção a decorrer em Março e Abril, e a selecção em Maio.
Os estágios vão ter lugar em Bruxelas e na cidade do Luxemburgo, e a Comissão Europeia pede os seguintes requisitos mínimos:
  • Possuir uma licenciatura;
  • ter um bom conhecimento de inglês, francês ou alemão;
  • ter um bom conhecimento de uma segunda língua oficial da União Europeia.
A experiência profissional vai ter a duração de cinco meses e os estagiários vão receber uma remuneração mensal de 1000 euros e o reembolso das despesas de viagem, assim como seguros de saúde e de acidente. A Comissão Europeia recebe todos os anos mais de 1300 estagiários com os estágios a terem início em Março e em Outubro.
Para mais informações sobre como se candidatar consulte o site:
http://ec.europa.eu/stages/index_en.htm

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

DANS QUEL BUT???


  1. O Contra-Almirante Silva Ribeiro substitui o Vice-Almirante Agostinho Ramos da Silva,  na Direcção do Instituto Hidrográfico , o qual foi condecorado pelo Ministro da Defesa durante a cerimónia.
    Até consta que irá Presidir à Acção Cultural da Marinha, um cargo de imenso interesse, substituindo o V/Almirante Villas Boas Tavares.

    Mas a minha pergunta é :A que propósito é que foi o ministro aguiar hifen branco a presidir a uma entrega de Comando e a condecorar o ilustre substituído????


    the desire for leadership exceeds all

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

A ULTIMA ACÇÃO


"O presidente do Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil (SNBPC), Leal Martins, apresentou hoje de manhã a demissão em fax enviado ao ministro da Administração Interna.

Na carta em que apresenta a demissão, Leal Martins referia, entre outros factos, que não pode deixar de assumir as suas responsabilidades no caso da utilização abusiva em Lamego de um helicóptero de combate a incêndios, que fazia também viagens turísticas.""


O Senhor Engº Joaquim Leal Martins partiu , hoje, para sempre , na sua última viagem.

Cap.m.g EMN entrou para a Escola naval com o curso "Oliveira e Carmo" , em 1962 e desempenhou variadíssimos cargos na Armada estando embarcado em vários navios.

No 15º Governo  Constitucional , e sendo MAI o Dr. Figueiredo Lopes , o Engº Leal Martins desempenhou o alto cargo de Presidente do Serviço Nacional de Bombeiros, embora por curto espaço de tempo.

Ao curso Oliveira e Carmo e ao seu Chefe de Curso, C/Almirante Nunes da Cruz e ao Chefe de curso dos EMN C/Almirante Jorge Beirão Reis e à Exma Família do Engº Leal Martins, um bom Militar e um Excelente Homem, a homenagem da guarnição da CACINE

INTERESSADOS?


domingo, 20 de janeiro de 2013

NIF?


CDS?????


.......- Sente o apoio dos portuenses ao seu movimento?
- Quando ando pela cidade na minha atividade comum há pessoas de todos os partidos que me dizem que se me candidatar vou ter o seu voto. Um movimento desta natureza não exclui ninguém. É, de facto, uma candidatura presidencialista.
- A equipa está formada...
- Tenho pessoas que estão a trabalhar comigo, uma equipa que está trabalhar em planos estratégicos da candidatura.
- Miguel Veiga faz parte?
- Não.
- Mas já anunciou que o apoia.
- O dr. Miguel Veiga, de quem sou amigo, já disse publicamente que se eu avançasse, apoiava a minha candidatura, tal como o dr. Artur Santos Silva. Acho ótimo. São pessoas por quem tenho a maior das considerações e cujo apoio agradecerei, naturalmente. Espero que se revejam também nas minhas ideias porque até agora também não lhes disse o que penso fazer.


Nota: Espertalhão!!!!!!!! 

sábado, 19 de janeiro de 2013

A IR

Na casa do Largo, em Cascais, abriu hoje uma excelente exposição de pintura da autoria do Senhor Almirante Ferreira Barbosa.

Já com méritos firmados, ainda recentemente na amostra das belas Artes, podemos aqui ver, não o óleo desta fotografia, mas outros, de dimensões muito apropriadas e sobretudo aguarelas de excelente qualidade, todas ligadas, ao contrário das telas , ao mar.

Um jovem elemento da CACINE esteve lá e gostou muito.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

BAD THING

Last year, 349 service members took their own lives, which is more than were killed in the Afghanistan and Iraq wars and is a 14 percent jump from 2011. Kim Ruocco, manager for suicide outreach at the Tragedy Assistance Program for Survivors, lost her husband to suicide in 2005. Major John Ruocco, a highly decorated Marine Cobra helicopter gunship pilot, was days away from beginning his second deployment to Iraq. Kim Ruocco talks with Jennifer Granholm about the suicide epidemic among our service people when they return from combat. 

Nota: Cá não há disto, felizmente

8 BURACOS


O Orçamento da Assembleia da República para 2013 vai manter as verbas destinadas à Associação de ex-Deputados e Grupo Desportivo para a organização de eventos desportivos, nomeadamente torneios de golfe.
Estas entidades receberam em 2012 cerca de 57 mil euros tendo organizado um torneio de golfe na Quinta da Marinha.
Segundo o Correio da Manhã, que cita uma fonte do Conselho de Administração, o documento do Orçamento da Assembleia da República para 2013 vai ser concluído esta semana e, apesar dos cortes significativos previstos, vai manter as dotações para a Associação de ex-Deputados (que recebeu 42,5 mil euros em 2012) e o Grupo Desportivo Parlamentar (que recebeu 15,2 mil euros).
Fonte da secretária-geral da Assembleia da República, afirmou ao referido diário que as entidades «são associações privadas sem fins lucrativos, que beneficiam de instalações cedidas pela AR e de apoio financeiro para as suas actividades».
O diário avança ainda que o Conselho de Administração teve a preocupação de reduzir verbas em dotações com «números grandes» no próximo Orçamento da AR. Apesar dos cortes, a redução está longe da verificada em 2012 com a redução 27%.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

RIDÍCULO

As mulheres devem preencher 40% dos lugares não-executivos da administração de empresas cotadas em bolsa até ao ano de 2020. A directiva europeia foi aprovada esta semana na Comissão de Assuntos Europeus com os votos do PSD e do PS. Os restantes partidos votaram contra.
Segundo a Comissão Europeia, o objectivo é equilibrar a representação de homens e mulheres em cargos que devem servir de exemplo para o sector privado, dada a sua importância económica e a sua grande visibilidade.
«Ao ritmo actual, seriam necessárias várias décadas para se acabar com o desequilíbrio entre os géneros», afirma a directiva, considerando que as quotas, apesar de controversas, são a medida mais eficaz: «Os progressos mais significativos foram alcançados pelos países que introduziram medidas vinculativas».
As realidades nos países da União Europeia são muito diferentes a este nível. A presença de mulheres nos cargos de topo varia entre os 3% e os 27%.
No Dia da Mulher, a 8 de Março, o Governo tinha aprovado uma resolução para obrigar empresas públicas e privadas a adoptar planos para a igualdade. Segundo dados do Governo, o sector empresarial do Estado tem 27% de mulheres em lugares de topo, as empresas cotadas em bolsa têm 9,5% e as do PSI 20 apenas 6,2%. Por isso, no que diz respeito às cotadas, Portugal tem de percorrer um longo caminho até atingir as metas da Comissão.
Em entrevista ao SOL, em Novembro, a secretária de Estado da Igualdade, Teresa Morais, manifestou-se favorável à existência de quotas a nível europeu, considerando «triste» que a presença de mulheres seja mais reduzida, nas maiores empresa.

Nota: Isto é uma ofensa para as Mulheres

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

FANTASTICO


  1. “A man sat at a metro station in Washington DC and started to play the violin; it was a cold January morning. He played six Bach pieces for about 45 minutes. During that time, since it was rush hour, it was calculated that 1,100 people went... through the station, most of them on their way to work.

    Three minutes went by, and a middle aged man noticed there was musician playing. He slowed his pace, and stopped for a few seconds, and then hurried up to meet his schedule.

    A minute later, the violinist received his first dollar tip: a woman threw the money in the till and without stopping, and continued to walk.

    A few minutes later, someone leaned against the wall to listen to him, but the man looked at his watch and started to walk again. Clearly he was late for work.

    The one who paid the most attention was a 3 year old boy. His mother tagged him along, hurried, but the kid stopped to look at the violinist. Finally, the mother pushed hard, and the child continued to walk, turning his head all the time. This action was repeated by several other children. All the parents, without exception, forced them to move on.

    In the 45 minutes the musician played, only 6 people stopped and stayed for a while. About 20 gave him money, but continued to walk their normal pace. He collected $32. When he finished playing and silence took over, no one noticed it. No one applauded, nor was there any recognition.

    No one knew this, but the violinist was Joshua Bell, one of the most talented musicians in the world. He had just played one of the most intricate pieces ever written, on a violin worth $3.5 million dollars.

    Two days before his playing in the subway, Joshua Bell sold out at a theater in Boston where the seats averaged $100.

    This is a real story. Joshua Bell playing incognito in the metro station was organized by the Washington Post as part of a social experiment about perception, taste, and priorities of people.

    The outlines were: in a commonplace environment at an inappropriate hour: Do we perceive beauty? Do we stop to appreciate it? Do we recognize the talent in an unexpected context?

    One of the possible conclusions from this experience could be: If we do not have a moment to stop and listen to one of the best musicians in the world playing the best music ever written, how many other things are we missing?”

    Nota: E que tal pôr cá a Elisabeth Matos a cantar no Rossio????

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

PIMBA





O Tribunal Constitucional (TC) indeferiu o recurso interposto pelo presidente da Câmara de Faro, Macário Correia (PSD), confirmando a perda de mandato do autarca, segundo um acórdão hoje publicado no sítio de internet daquele tribunal.

No acórdão, datado de 10 de Janeiro, lê-se que o tribunal decidiu "confirmar a decisão sumária reclamada, proferida no dia 18 de Outubro de 2012, e, em consequência, indeferir a reclamação apresentada".

Macário Correia foi condenado, em Junho de 2012, pelo Supremo Tribunal Administrativo, a perda de mandato por violação dos regulamentos de urbanismo e ordenamento do território quando era presidente da Câmara de Tavira.

A Lusa tentou já obter uma reacção do autarca, que disse que não vai comentar a decisão do tribunal.

Nota: A CACINE lamenta este facto, apesar das ocorrências existentes entre o Autarca em questão e o Sr. Almirante Botelho Leal , nas quais sabemos exactamente de que lado nos enquadramos.

THE NEW ONE

MARINA FERREIRA, nova Presidente da Administração do Porto de Lisboa.

Boa escolha, diz-se aqui na CACINE.

Foi Chefe de gabinete do saudoso Camarada Comandante Azevedo Soares e Directora geral das Pescas e depois recordamo-la na Carris, na Autoridade Metropolitana de Transportes Vereadora e depois Presidente da Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Lisboa (saída de Carmona Rodrigues) , Presidente da EMEL.

A PURGA

A partir de 1 de Fevereiro funcionam no HM apenas:

Fisiatria

Fisioterapia

Medicina dentária

Cardiologia

Endocrinologia

Psicologia

Dermatogia

Radiologia


No dia 31 de Janeiro, para além das alterações já divulgadas acresce a passagem para o Lumiar de:

Exames de anatomia patológica

Laboratório de patologia clinica.


No Hospital da Estrela ficam as consultas de:

Anestesiologia

Neurologia

Ortopedia

Psiquiatria

Urologia

domingo, 13 de janeiro de 2013

INENARRÁVEL


O presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, foi agraciado nesta segunda-feira com a medalha militar da Cruz de S. Jorge, de primeira classe, imposta pelo chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, em "reconhecimento pelos serviços prestados que em muito contribuíram para a eficiência e cumprimento das Forças Armadas Portuguesas na Madeira".
A distinção, anunciada a 28 de Dezembro, foi entregue na cerimónia pública que empossou o major-general Marco Paulino Serronha como comandante operacional da Madeira. Ao acto assistiram o representante da República, Irineu Barreto, o presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Miguel Mendonça, o bispo do Funchal, António Carrilho, responsáveis pelos três ramos das Forças Armadas e forças de segurança no arquipélago.
Nos elogios a Jardim, o chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, general Esteves de Araújo, disse nutrir pelo governante madeirense "respeito e admiração", reconhecendo-lhe "carisma", "patriotismo", "prestígio", "pragmatismo". É um "verdadeiro líder, homem de honra e de uma só palavra", sublinhou o genera,l que relevou a postura do presidente do executivo madeirense em matéria de cooperação institucional com os três ramos das Forças Armadas.
A medalha militar da Cruz de S. Jorge foi criada em 22 de Dezembro de 2000. Destina-se a galardoar os militares e civis, nacionais ou estrangeiros que, no âmbito técnico-profissional, revelem elevada competência, extraordinário desempenho e relevantes qualidades pessoais, contribuindo significativamente para a eficiência, prestígio e cumprimento da missão do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).
No final de Novembro, ao deixar o cargo de comandante-chefe das Forças Armadas na Madeira, o major-general Tiago Vasconcelos elogiou o "enorme surto desenvolvimentista não apenas económico, mas também social, cultural, político e cívico" registado na região nas últimas três décadas, o que "tem permitido à maior parte dos madeirenses serem felizes na sua terra". Um feito que, entre outros factores e actores, "tem um rosto" - o de Jardim - cuja "qualidade de liderança" o general enalteceu, fazendo votos para que o presidente possa continuar a servir a Madeira e Portugal por muitos e bons anos com a sua "inteligência e vastíssima experiência".
Os elogios de Vasconcelos, na altura louvado por Jardim, foram duramente criticados por partidos de oposição, que, lembrando a grave situação financeira e sócio-económica da região, recomendaram ao general uma postura mais moderada, de acordo com a isenção e reserva exigidas aos militares face o poder político. Recordaram também a posição de Jardim que, nos finais da década de 70, invectivando contra a instituição militar, proclamou: “Os militares já não são o que eram. Os militares efeminaram-se.” A afirmação valeu-lhe um “correctivo” por parte do comandante do Regimento de Infantaria da Madeira, coronel Carlos Lacerda.

Nota: O CEMGFA passou-se????



sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

UMA OPINIAO

Oficial da Armada, reformado, tendo nascido e vivido a infância em Goa, ao ler o notável discurso proferido durante as comemorações do Dia da Marinha pelo chefe do Estado-Maior da Armada, em 20 de maio, aniversário da chegada de Vasco da Gama à Índia, sentiu o apelo para escrever estas linhas e explicar melhor a razão de ser de alguns graves problemas que afetam o cerne das Forças Armadas, enunciados pelo almirante, no respeitante ao seu ramo, ao dirigir-se à Nação e aos marinheiros, na dupla qualidade de chefe militar e autoridade marítima nacional.
Em consequência de sucessivos anos de salamização pelos governos, dos recursos orçamentais atribuídos às Forças Armadas para execução de missões mantidas inalteráveis, encontram-se reduzidos ao mínimo o tempo e a qualidade do treino, bem como as ações de manutenção de uma esquadra envelhecida, não sendo respeitado o cumprimento da lei no respeitante aos direitos especiais conferidos aos militares, cujos deveres, incluindo o sacrifício da própria vida, não encontra paralelo nos restantes servidores do Estado. Relativamente ao Exército e à Força Aérea, penso que a situação deve ser muito parecida.
As Forças Armadas destinam-se, fundamentalmente, a estar sempre prontas a atuar em diversas latitudes do planeta, com um pré-aviso muito curto, em situações-limite, de extrema perigosidade, implicando risco de vida, com efetivos frequentemente integrados em forças de Estados aliados.
Os militares juram, perante a Bandeira nacional, defender a Pátria, mesmo com o sacrifício da própria vida, aceitam pesadas limitações constitucionais aos seus deveres de cidadania, cumprem, sem hesitação, ordens legítimas de superiores que subiram os penosos degraus da hierarquia militar, devidamente preparados para os postos e funções que desempenham, vivendo segundo os mesmos exigentes códigos éticos e de disciplina que regem a vida dos seus subordinados, para quem devem constituir sempre um exemplo. Cada posto da hierarquia militar corresponde à capacidade para exercer funções bem definidas, implicando inclusivamente o cumprimento de exigentes padrões de apreciação semestral de desempenho, aptidão física e intelectual, de limites de idade, que ao serem atingidos sem que ocorra a seleção para a promoção ao posto imediatamente superior, implicam a passagem à situação de reserva e, logo a seguir, à desmobilização. O cumprimento rigoroso de ordens legítimas, sem que haja lugar a hesitação, durante os treinos ou em campanha podem implicar frequentemente a vida ou a morte dos próprios militares ou dos seus inimigos e a preservação da segurança de populações. Pelas suas ações durante as missões, os militares são obrigados a cumprir convenções internacionais e podem ter de responder individualmente perante o Tribunal Penal Internacional.
Por tudo isto, em tempo de paz, os militares dos diversos níveis hierárquicos precisam de treinar incessantemente as suas competências, num ambiente de confiança, para poderem estar sempre preparados para ser empregues pelo Estado em situações de guerra ou de emergência. A história ensina que o treino deficiente ou a falta dele paga-se durante a execução das missões, com a perda desnecessária de vidas e a inutilização por aumento de avarias ou de erro humano, de plataformas, armas e sensores muito dispendiosos, que a Nação coloca ao serviço dos militares com enorme sacrifício. Portanto, os marinheiros têm de andar muito tempo embarcados nos navios, fazer muitas horas de navegação em águas restritas e oceânicas, sob diversas condições de tempo, praticar na operação das armas e sensores, saber colaborar com os navios dos outros países aliados segundo os mesmos padrões de qualidade e procedimentos garantindo a interoperabilidade dos efetivos em presença, sem a qual poderemos até prejudicar os nossos aliados. Exigências análogas aplicam-se naturalmente aos meios utilizados pelo Exército e pela Força Aérea.
Relativamente ao material, convém lembrar que, tal como acontece em menor escala com o automóvel particular de qualquer cidadão, os navios, as aeronaves, as viaturas militares e o armamento, para poderem atuar em condições extremas, têm de ser submetidos a operações periódicas de manutenção e reparação muito exigentes, cuja necessidade releva com a idade e que, se não forem efetuadas atempadamente, se traduzirão em perda de fiabilidade, com as consequentes avarias e acidentes que também se refletirão em perda de vidas dos nossos militares e dos aliados.
Para poderem cumprir eficazmente, os militares vivem imersos num ambiente de grande exigência, ética, disciplina e sacrifício que não encontra paralelo nos outros servidores do Estado e, por isso, a lei confere-lhes direitos especiais, grande parte dos quais não estão porém a ser cumpridos pelo poder político, nomeadamente na área da saúde, das promoções e das remunerações, com grave reflexo no moral dos militares. As associações de militares, que nasceram precisamente por falta de cumprimento por parte do Estado dos direitos especiais devidos aos militares, têm alertado com alguma frequência a Nação para estes aspetos. Os militares, por força dos pesados deveres que lhes são exigidos, não podem ser confundidos com funcionários públicos. Mas governos sucessivos afirmam nos discursos reconhecer o estatuto especial dos militares mas depois não cumprem ostensivamente a lei no que se refere aos direitos especiais que lhes cabem.
As Forças Armadas, para serem credíveis e poderem ombrear com as dos Estados aliados sem colocarem desnecessariamente em risco a vida dos militares, precisam de que o Estado lhes confira os meios orçamentais indispensáveis para não reduzirem por muito mais tempo os níveis de treino, os cuidados de manutenção do material e o cumprimento dos direitos especiais dos militares e dos seus familiares diretos, definidos na lei, cuja falta se reflete no moral e, em última análise, se refletirão negativamente na qualidade do cumprimento das missões.
O Governo, se o País quer realmente continuar a ter Forças Armadas credíveis, tem de encontrar rapidamente contrapartidas para lhes atribuir o reforço orçamental indispensável.
Os militares não querem imolar desnecessariamente as suas vidas por falta de treino e de moral elevado, mas outrossim, quando chegar a hora, poder combater com eficácia, refletindo uma preparação exigente e adequada, fazendo que os "s.o.a.b. dos inimigos morram pela Pátria deles", como disse o lendário general norte-americano George Patton.
Artigo Parcial

Alm. Nobre de Carvalho

A QUEM DE DIREITO


DIA DA ACADEMIA MILITAR 


 JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO


No âmbito da comemoração do Dia da Academia Militar,  14 de Janeiro de 2013, vai realizar-se o Jantar de Confraternização dos antigos alunos no mesmo dia pelas 19h30 na Sede da Academia Militar.
Para confirmações enviar email para: academiamilitar@mail.exercito.pt


Gabinete do Comandante
Secção de Informação Interna, Relações Públicas, Acção Cultural e Assistência Religiosa
Military Academy Public Affairs Office
Tel. Mil.: 415 607 Fax Mil.: 415 611
am.siirpac@mail.exercito.pt
academiamilitar@mail.exercito.pt

SÓ FALTA A VEIA


Chefe da Força Aérea diz que ramo já está "a cortar no músculo" e tem pilotos parados

O chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA) manifestou hoje "grande preocupação" com a redução de horas de voo, revelando que há pilotos sem voar, e afirmou que o ramo já está "a cortar no músculo".

Segundo disseram à Lusa fontes parlamentares, numa audição à porta fechada na comissão de Defesa, o general José Pinheiro adiantou que a Força Aérea elaborou um plano de sustentabilidade com um horizonte de seis anos (2012/2018) para fazer face aos cortes.
O chefe militar classificou a redução do número de horas de voo, que disse ser de 35% desde 2010, como "muito preocupante" e revelou que no ano passado houve uma redução da prontidão dos aviões, estando alguns parados.
"É caro estar a manter aviões que depois estão parados", afirmou José Pinheiro.
O CEMFA revelou que há 43 pilotos da Força Aérea "sem voar" e que todos os voos estão "controlados à hora", dando o exemplo de que "um piloto que tenha previsto voar uma hora e meia e voe uma hora e quarenta tem de o justificar".
"Estamos já a cortar no músculo", afirmou, acrescentando que o ramo que dirige tem no entanto noção da situação que o país atravessa.
Na audição, o general disse ainda que 82% do orçamento da Força Aérea são destinados a gastos com pessoal, o que deixa a operação e manutenção assentes num "orçamento virtual", dependente exclusivamente de receitas próprias, o que "gera grande incerteza no planeamento da atividade anual".
Segundo uma das fontes, José Pinheiro queixou-se também do facto de a Força Aérea sustentar "por vezes até dois anos" os pagamentos de militares passados à reserva, devido ao processo burocrático de passagem para a Caixa Geral de Aposentações.


Nota da CACINE: Mas este Falcon voa de certeza para passear o ministro hifen e os outros

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

THE NEW ONE

Prof. Manuel Queiró

Vai ser o novo Presidente da CP.

A ver vamos, como diz o cego

AGUENTA MARUJO

O bloco operatório do Hospital de Marinha, um dos melhores de Lisboa e do País, foi encerrado.

Obrigado ministro aguiar hifen branco por mais esta tão meritória decisão para com os Militares, os Doentes, a cidade

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

AGUENTA MARUJO

O ministro aguiar hifen branco, na sua incomensurável caminhada para a destruição das Forças Armadas e Dignidade dos Militares, e continuando a sua teimosia, não ouviu quem o aconselhou , fez orelhas....e foi nomeando comissões de amigalhaços.
Agora concluiu-se ser imensamente dispendioso colocar a câmara hiperbárica do Hospital da Marinha(que o inefável e mal lembrado augusto ernesto s. silva baptisou de "Santa Clara") no Lumiar.
Solução do inenarrável aguiar hifen branco:
1-Compra-se nova câmara(que é um conjunto de 2) para instalar no Hospital da Força Aérea.
2-Deixa-se a da Marinha continuar a trabalhar , até atingir o momento da revisão e credenciação, altura em que será abatida!!!!!

Diz o Faustino, no meio de uma engraxadela :Não dá para acreditar neste hifen

IS IT GOOD?

"reformador", extinguir aInspecção-Geral da Administração Local (IGAL).

O seu Presidente, o juiz-desembargador Orlando dos Santos Nascimento, publicou no site da IGAL uma carta com a sua posição.

Miguel Relvas demitiu o Presidente

domingo, 6 de janeiro de 2013

POIS É

«Removido» da SIC-Notícias

Por Alfredo Barroso
.
CAROS amigos (poucos), simpatizantes (alguns) e conhecidos (muitos),.
... .Cumpro o «doloroso dever» de participar ? para gáudio de quem detesta as minhas opiniões e não me pode ver nem pintado que fui, no dia 2, «removido», por telefone, do programa «Frente-a-Frente» da SIC Notícias, no qual participava desde o ano de 2004.
Digo «removido», porque me parece ser um bom compromisso entre o termo «dispensado» (politicamente correcto) e os termos «despedido» ou «corrido» (politicamente incorrectos). Justificações da «remoção»:
i) necessidade de «renovar» a lista de «paineleiros», naturalmente «remoçando-a» (presumo que um velho rezingão como eu será substituído por um daqueles moçoilos geniais que agora dirigem o PS);
ii) deixar de pagar as participações no «Frente-a-Frente» (150 euros cada uma), porque a SIC Notícias está paupérrima e passará a aceitar apenas «voluntários» (claro que tiveram o cuidado de não me perguntar se eu queria ser um deles?).
Terminam assim 17 anos consecutivos de colaboração com órgãos de comunicação social do grupo «Impresa»: oito anos e meio como cronista do EXPRESSO, de que fui removido no auge da invasão do Iraque; outros oito anos e meio como colaborador da SIC Notícias, de que fui removido no auge da «guerra» declarada há poucos dias pelo «megafone» de Vitor Gaspar, Pedro Passos Coelho. Suponho que é uma «guerra» contra a esmagadora maioria dos portugueses, que continuam a empanturrar-se de bifes todos os dias?
Mas é claro que não deixa de ser exaltante imaginar a satisfação que esta notícia irá causar em figuras tão proeminentes como a augusta vice-presidente (da AR) Teresa Caeiro, o austero advogado José Luís Arnaut ou o venerável empresário Ângelo Correia ? que se recusavam a enfrentar-me há já alguns meses com o beneplácito dos responsáveis pelo programa.
Não ignoro, todavia, que o gáudio não se confina ao chamado «arco do poder», nos seus três tons habituais: cor de laranja azeda, azul cueca e cor-de-rosa fanada. Também vai entrar de roldão em alguns órgãos de comunicação social do regime, politicamente correctos, onde não faltam opinadores tão chatos ou peneirentos como «intocáveis», e digníssimos «pilares» do statu quo que não apreciam dissidências políticas nem franco-atiradores (a não ser quando haja escândalo que aumente as audiências e/ou os leitores).
A única coisa que se me oferece dizer, sem me rir, neste momento, é a seguinte: quando se perde poder ou a aparência dele, por mais ínfimo que seja; quando não se tem a protecção de um partido, ou de uma «igreja», ou de uma associação «cívica» semi-clandestina, ou de um grupo de pressão, ou de um «sacristão», ou de um «patrão», ou de um «padrinho», etc., etc., etc. ? o «lonesome cowboy» escusa de armar ao pingarelho, e não tem outro remédio se não o de meter a viola no saco e ir para a caça aos gambozinos.

Saudações democráticas,

sábado, 5 de janeiro de 2013

AGUENTA MARUJO

O ministro aguiar hifen branco , na sua impiedosa caminhada de destruição das Forças Armadas e da Dignidade dos Militares, lá conseguiu nomear mais um civil, e amigalhote , para a Direcção do Hospital Militar das Forças Armadas.

Os Hospitais Militares sempre foram Unidades Militares, e este não há de fugir à regra. Mas já lá tem um civil no Comando, um tal Dr. Carlos Andrade.

E assim se vai continuando a civilização da Organização Militar, destruindo as FA e majorando a GNR , como na 1ª República , com o Major Liberato Pinto que acabou em 1º Ministro e depois de se descobrir as coisas demorou anos a desarmar a Guarda.

Este ministro não serve e deve ser mandado embora de imediato, se não por outros meios que o seja pelo nosso desejo imperioso junto do Comandante Supremo (existe?).

Cremos que o proximo designio serão os Museus Militares, onde já se devem estar a posicionar Amigas /os lá do Porto ou do Partido.

Esperem lá para ver. O Comando de um Navio é que será já mais dificil dar a um correlegionário, pois para isso é preciso Saber....

FUTURISMO?

Ah, sim, o discurso de Cavaco. Talvez, talvez, depende, "eu avisei". Sempre tarde. Adiante. Falemos de coisas concretas e consumadas: o casamento da ANA, uma historieta que tem tudo para sair muito cara. Passo a explicar: a ANA geria os aeroportos com lucros fabulosos para o seu pai, Estado, que, entretanto falido, leiloou a filha ao melhor pretendente. Um francês de apelido Vinci, especialista em autoestradas e mais recentemente em aeroportos, pediu a nossa ANA em casamento. E o Estado entregou-a pela melhor maquia (três mil milhões de euros), tornando lícita a exploração deste monopólio a partir de uma base fabulosa: 47% de margem de exploração (EBITDA).

O Governo rejubilou com o encaixe... Mas vejamos a coisa mais em pormenor. O grupo francês Vinci tem 37% da Lusoponte, uma PPP (parceria público-privada) constituída com a Mota-Engil e assente numa especialidade nacional: o monopólio (mais um) das travessias sobre o Tejo. Ora é por aqui que percebo por que consegue a Vinci pagar muito mais do que os concorrentes à ANA. As estimativas indicam que a mudança do aeroporto da Portela para Alcochete venha a gerar um tráfego de 50 mil veículos e camiões diários entre Lisboa e a nova cidade aeroportuária. É fazer as contas, como diria o outro...

Mas isto só será lucro quando houver um novo aeroporto. Sabemos que a construção de Alcochete depende da saturação da Portela. Para o fazer, a Vinci tem a faca e o queijo na mão. Para começar pode, por exemplo, abrir as portas à Ryanair. No dia em que isso acontecer, a low-cost irlandesa deixa de fazer do Porto a principal porta de entrada, gerando um desequilíbrio turístico ainda mais acentuado a favor da capital. A Ryanair não vai manter 37 destinos em direção ao Porto se puder aterrar também em Lisboa.

Portanto, num primeiro momento os franceses podem apostar em baixar as taxas para as low-cost e os incautos aplaudirão. Todavia, a prazo, gerarão a necessidade de um novo aeroporto através do aumento de passageiros. Quando isso acontecer, a Vinci (certamente com os seus amigos da Mota-Engil) monta um apetecível sindicato de construção (a sua especialidade) e financiamento (com bancos parceiros). A obra do século em Portugal. Bingo! O Estado português será certamente chamado a dar avais e a negociar com a União Europeia fundos estruturais para a nova cidade aeroportuária de Alcochete. Bingo! A Portela ficará livre para os interesses imobiliários ligados ao Bloco Central que sempre existiram para o local. Bingo!

Mas isto não fica por aqui porque não se pode mudar um aeroporto para 50 quilómetros de distância da capital sem se levar o comboio até lá. Portanto, é preciso fazer-se uma ponte ferroviária para ligar Alcochete ao centro de Lisboa. E já agora, com tanto trânsito, outra para carros (ou em alternativa uma ponte apenas, rodoferroviária). Surge portanto e finalmente a prevista ponte Chelas-Barreiro (por onde, já agora, pode passar também o futuro TGV Lisboa-Madrid). Bingo! E, já agora: quem detém o monopólio e know-how das travessias do Tejo? Exatamente, a Lusoponte (Mota-Engil e Vinci). Que concorrerá à nova obra. Mas, mesmo que não ganhe, diz o contrato com o Estado, terá de ser indemnizada pela perda de receitas na Vasco da Gama e 25 de Abril por força da existência de uma nova ponte. Bingo!

Um destes dias acordaremos, portanto, perante o facto consumado: o imperativo da construção do novo grande aeroporto de Lisboa, em Alcochete, a indispensável terceira travessia sobre o Tejo, e a concentração de fundos europeus e financiamento neste colossal investimento na capital. O resto do país nada tem a ver com isto porque a decisão não é política, é privada, é o mercado... E far-se-á. Sem marcha-atrás porque o contrato agora assinado já o previa e todos gostamos muito de receber três mil milhões pela ANA, certo? O casamento resultará nisto: se correr bem, os franceses e grupos envolvidos ganham. Correndo mal, pagamos nós. Se ainda estivermos em Portugal, claro.

Daniel deusdado/JN

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

OPINIÃO

O ROUBO NAS PENSÕES
 
Mais uma vez, e como é hábito na sociedade portuguesa, quando se debate qualquer tema, este é discutido de forma superficial e com muita algazarra, mas não se discute aquilo que é verdadeiramente importante – a frieza da realidade demonstrada pelos factos.

O Governo em geral, e o Primeiro-Ministro em particular, entendem (na minha opinião bem) que devemos alterar profundamente o sistema de pensões em Portugal pois aquilo que as pessoas descontaram ao longo dos anos não corresponde às reformas que usufruem. Totalmente verdadeira esta afirmação como demonstrarei de seguida.

A esquerda em geral e os grandes beneficiários (da direita) deste sistema estão naturalmente contra. Se por um lado (os de esquerda) acham que o dinheiro cai do céu, ou se não cai que outros - que não portugueses - nos devem pagar o nosso “armados em ricos”, por outro, os de direita - que recebem pensões milionárias fruto de apenas 4 ou 8 anos de trabalho “árduo”; todos eles acham que o actual sistema de pensões deve continuar.

Pois eu acho profundamente injusto e, já agora, inconstitucional que eu ande a pagar 11% do meu salário para as pensões destes senhores. Quando chegar a minha vez de me reformar não vai haver dinheiro para me pagar uma reforma com um sistema semelhante ou, em alterativa, não tenha reforma nenhuma mesmo. No entanto esta malta acha que é inconstitucional pagar mais impostos sobre a reforma ou levar um corte na reforma. O argumento é que as pessoas descontaram toda a vida para agora terem direito à reforma e que os cortes além de um roubo são inconstitucionais, etc, etc.

Nada poderia ser mais falso. Tal como referi, aqui vai a verdade demonstrada de forma simples através da única ciência exacta que conhecemos – a matemática:

Imaginemos que uma pessoa começou a trabalhar aos 25 anos, auferiu durante todo este tempo 1.000€ mensais e reforma-se aos 65 anos.

Temos assim 40 anos de descontos à razão de 11% ao mês sobre os 1.000€ = 110€; X 14 meses = 1.540€/ano; X 40 anos = 61.600€. Se pensarmos que depois de reformado este cidadão iria receber 80% da reforma (no sector público a percentagem é maior – 86% e no privado bem inferior – 56%) face ao seu último salário, teríamos 800€ mensais. Vamos ver então para quantos anos de reforma dão os 61.600€ que este cidadão descontou. 61.600€/800€ = 77 meses, ou seja, 5 anos e 5 meses (Subsídios Férias e Natal incluídos). Este cidadão deixaria de receber pensão pouco depois dos 70 anos.

Qual a esperança média de vida? Quantas pessoas recebem pensões mais elevadas com menos anos de descontos (na função pública reformam-se mais cedo que no privado e o número de anos de descontos é inferior)? E quantas há a receber pensões elevadas descontando menos de 11% do seu salário (há determinadas profissões em que se desconta bem menos e com regalias bem melhores na reforma)? Todas as situações de exceçao, e que dei alguns exemplos, desequilibram pela negativa estas contas que apresentei.

Se pegarmos no exemplo do cidadão comum vemos que é injusto ele receber esta reforma a partir dos 70 anos de idade. O exemplo torna-se mais injusto quando falamos, por exemplo, de um ex-presidente da Republica ou ex-governador do banco de Portugal ou ex-Presidente da Assembleia da Republica, um ex-deputado, etc. Pessoas como Mário Soares, Bagão Felix, Almeida Santos, Manuel Alegre, Manuela Ferreira Leite, entre outros, que recebem pensões milionárias e estão na casa dos 70 e 80 anos de idade, alguns deles quase 90; já há muitos anos que recebem imensamente mais do que descontaram e ainda por cima conseguiram estas reformas com 4, 8 e 10 anos de “dedicação à causa pública”.

Esta injustiça é transversal à diferença entre pensões da Função Pública (que percentualmente recebem mais trabalhando menos anos) e os do privado (trabalham mais anos e recebem percentualmente menos). É como se existissem dois Estados em Portugal em que os cidadãos do sector privado pagam as regalias do sector público.

E então caro compatriota, ainda acha que é inconstitucional, roubo ou injustiça taxar as pensões e/ou cortar as actuais pensões?

Termino propondo ao Governo que simplesmente se acabe com as pensões e que cada um poupe do seu ordenado para a reforma. Assim acabam-se as injustiças e ninguém pode reclamar com uma enorme “lata” que é injusto ou roubo que a minha geração trabalhe para lhes pagar as mordomias que nós nunca iremos ter (isto sim é roubo e injustiça e já agora, inconstitucional).

José Bourdain * Politólogo