Google+ Followers

Google+ Followers

sexta-feira, 29 de abril de 2011

ATÉ QUE ENFIM

Carlos Silva Gomes,  Governador Civil do distrito de Faro tem 48 anos de idade, é casado, tem três filhos e é oficial da GNR com o posto de Tenente-Coronel.

Empenhado em trabalhar por um Algarve mais justo e solidário e por contribuir pelo bem-estar das populações, Carlos Silva Gomes, ocupou o cargo de Chefe de Gabinete da Governadora Civil de Faro (Isilda Gomes) e daí terá retirado as suas linhas de orientação para a responsabilidade que registou como Governador Civil por alguns meses.

Com uma Pós-Graduação em Segurança e Investigação Criminal, passada pela Faculdade de Economia da Universidade do Algarve; o Curso de Investigação Criminal-Oficiais, da Escola Prática da GNR; o Curso de Formação de Formadores no Âmbito do Tráfico Ilícito de Estupefacientes, do Instituto Nacional de Polícia e Ciências Criminais; o Curso de Planificación y Evaluación de Programas de Prevención Comunitária, do Comisionado para la Droga-Andalucia; o Curso de Formação de Negociadores em Situações de Suicídio e Barricada e o Curso de Combate ao Tráfico e Consumo de Estupefacientes, ambos do Instituto Superior de Polícia Judiciária e Ciências Criminais, o Tenente-Coronel Silva Gomes comprova o seu profundo conhecimento da realidade a que se acrescenta um percurso profissional notável.

De Comandante do Destacamento Territorial de Loulé, a 2º Comandante do Grupo Territorial de Faro e Comandante do Grupo Territorial de Portimão, também é de salientar o cargo de Oficial de Operações e Chefe da Secção de Investigação Criminal do Grupo Territorial de Faro.


Nota:Finalmente um militar é nomeado para alguma coisa!!!!!

4 comentários:

Anónimo disse...

e o Manuel Monje fica excluido de governador ou de militar?

Manel disse...

Claro que não.
Referíamos os tempos mais próximos....

Anónimo disse...

Um comandante que governa tão sabiamente a Cacine, não pode ser tão ingénuo na interpretação desta nomeação.

Allen disse...

Disseste Militar? Isto faz parte da política do vaidoso MAI de atribuír o maior número possível de lugares aos "militares" da GNR?