Google+ Followers

Google+ Followers

terça-feira, 9 de março de 2010

É O QUE TEMOS



A Câmara Municipal de Lisboa chegou finalmente a um acordo com o empreiteiro do túnel do Marquês. Vai pagar qualquer coisa como 18,5 milhões de euros, porque as obra foi embargada graças a uma providência cautelar.
Foi precisamente essa providência cautelar que permitiu a José Sá Fernandes saltar do anonimato para o estrelato.
Por consequência e graças ao habitual oportunismo do Bloco de Esquerda, a mesma providência permitiu a Sá Fernandes chegar a vereador.
Coisa que acabou por custar à Câmara de Lisboa os tais 18,5 milhões de euros.
José Sá Fernandes continua vereador.

Na altura do túnel, era vê-lo por lá, em cima, em baixo, no meio, rodeado de televisões e microfones. Não havia dia que Sá Fernandes não fizesse um esforço para aparecer a debitar sábias opiniões sobre as deficiências do túnel.
Passados estes anos, e com a inevitabilidade da indemnização, os jornalistas tentaram arrancar um comentário do vereador que quis travar o túnel. Debalde. Sá Fernandes nem quer ouvir falar em tal coisa e nem sequer está interessado em debitar as tais doutas opiniões.
Para a História, fica apenas o cargo político mais caro de sempre. Ao nível de um jogador de futebol.

Correio Preto

1 comentário:

Anónimo disse...

Acho graça à etiqueta