Google+ Followers

Google+ Followers

terça-feira, 14 de junho de 2011

A MURALHA DE AÇO

Mais de uma centena de pessoas

compareceram junto à campa de Vasco
Gonçalves, simbolicamente coberta
com cravos vermelhos e ladeada
de rosas da mesma cor, para prestar
esta homenagem que foi o primeiro
acto público da nova associação, cuja
assembleia constituinte se realizará
no sábado, dia 18 de Junho, à tarde,
na Casa do Alentejo, em Lisboa.
Constituída para lembrar a memória
de Vasco Gonçalves e o seu legado
político — como foi salientado ontem,
prosseguir o seu objectivo de “dar dignidade
àqueles que não tinham dignidade”
—, a Associação Conquistas da
Revolução tem já mais de 300 fundadores,
adiantou ao PÚBLICO Beatriz
Nunes, uma das fundadoras.
Entre os fundadores da associação,
que ontem estiveram no Alto de São
João, destaquem-se os militares de
Abril Duran Clemente, José Emílio Silva,
Baptista Alves, mas também fi guras
como o antigo dirigente do MDP/
CDE, João Silveira Ramos, o dirigente
do PCP José Casanova, ou o dirigente
da Intervenção Democrática, João
Corregedor da Fonseca.
Refira-se que Vasco Gonçalves
foi o carismático primeiro-ministro
que liderou a revolução após o 25
de Abril, que teve o seu clímax no
“Verão Quente”, travado pelo 25 de
Novembro de 1975. Próximo do PCP
e conhecido à época como “o companheiro
Vasco”, foram os seus governos
provisórios, nomeados pelo
Presidente da República António de
Spínola, e apoiados pelo Conselho
criação da associação. Ou seja, a necessidade
de combater a tendência
actual de “esquecer a memória e esquecer
o passado”. E referiu a necessidade
também de não esquecer “os
conceitos de liberdade, os conceitos
de igualdade para todos, os conceitos
de solidariedade”.
Não deixou, porém, de fazer aquilo
que ali o levara: homenagear Vasco
Gonçalves. Lembrando que ele tinha
o “dom pouco vulgar que se designa
por carisma”, Manuel Begonha
questionou: “Em que outra época,
em Portugal, se viveu com a poesia
na rua?”

Associação Conquistas da Revolução quer
preservar o legado do “companheiro Vasco”

PEDRO CUNHA

4 comentários:

Allen disse...

Porque não fazer a sede no "Júlio de Matos"? Se bem me lembro,era principalmente conhecido por "Vasco o Louco". Haja sanidade mental.

Luís Silva Nunes disse...

Pergunto eu: não haverá maneira de aprendermos a discordar e criticar sem ofender? Francamente senhores, acho que já é tempo!!!

Nunes da Cruz disse...

Estou com o LSN.
Qualquer blogue que se pretenda respeitável, de que não tenho dúvidas ser o presente, tem de manter uma elevação mínima ao opinar e criticar.

Allen disse...

Atenção! Longe de mim pretender ofender a "muralha de aço". Um abraço.