Google+ Followers

Google+ Followers

quarta-feira, 6 de março de 2013

SE CALHAR ERA BOM...


"O secretário executivo da CPLP defendeu hoje que a organização lusófona deve enviar um representante para a Guiné-Bissau, depois de a comunidade dos países da África ocidental ter mostrado "abertura total" para trabalhar com os parceiros.
Murade Murargy, que falava à Lusa à margem da apresentação dos Green Project Awards na sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Lisboa, referia-se à última cimeira da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), na qual ficou decidido prolongar até ao fim do ano o período de transição na Guiné-Bissau.
"O que há de positivo nesta cimeira é que as cinco organizações parceiras da Guiné-Bissau [CEDEAO, CPLP, ONU, União Africana e União Europeia] já se entendem", disse o secretário executivo da CPLP, que esteve presente na reunião, no final de fevereiro em Yamoussoukro, Costa do Marfim.
A própria CEDEAO, que antes "se punha na posição de quem está a dirigir o processo", já mostrou "abertura total para trabalhar com todas as outras" organizações, sublinhou Murargy.
"Chegámos à conclusão de que é necessária a conjugação de todos os esforços, apesar de a CPLP não estar no terreno", afirmou ainda o secretário executivo, para quem é importante alterar essa situação: "Vou ver se consigo convencer os Estados-membros a colocarmos alguém no terreno, mas mesmo não estando lá já reconheceram a nossa importância".
A CEDEAO mantém uma missão internacional militar na Guiné-Bissau, com mais de 600 efetivos, para apoiar o período de transição.
A Guiné-Bissau está a ser administrada por um Governo de transição, apoiado pela CEDEAO, desde o golpe militar de 12 de abril do ano passado, mas a maior parte da comunidade internacional, incluindo a CPLP, não reconhece as novas autoridades de Bissau.
Na sequência do golpe de Estado, as autoridades regionais tinham instituído um período de um ano para que a Guiné-Bissau organizasse eleições, previstas para abril.
No entanto, várias personalidades já reconheceram que ainda não estão reunidas as condições para a realização de eleições, pelo que o período de transição foi agora prolongado pela CEDEAO até 31 de dezembro de 2013.
Sobre esse prolongamento, Murargy explicou à Lusa que havia várias propostas em cima da mesa, entre as quais a do principal partido da Guiné-Bissau, o PAIGC, que defendia um prolongamento por seis meses, e outra dos militares guineenses, que pretendiam prolongar a transição por três anos.
"Tinha de se encontrar um equilíbrio, e o equilíbrio foi o meio-termo", disse Murargy.
Questionado se ficou satisfeito, o secretário executivo respondeu: "satisfeito não estou, mas é razoável".
FPA // MLL

Sem comentários: