Google+ Followers

Google+ Followers

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

BEM MERECIDO

     
Artur Morgado Ferreira dos Santos Silva (Porto, 1910Porto, 1980) foi um advogado e político português.Licenciou-se em direito, frequentando as duas faculdades de Coimbra e Lisboa.Um dos primeiros militantes do PPD, colega de curso e amigo de Gonçalves Rapazote e Arlindo Vicente, sempre manteve a sua linha independente de "avesso" ao regime e lutador de resistência.
Um Oficial da guarnição da CACINE conheceu bem e admirou muito o Dr. Santos Silva,de que guarda respeito , saudade e continência

«Artur entendia a barra como uma extensão natural da sua grande paixão: a política. Durante todos os 38 anos que a ditadura durou, conspirou sem descanso para a derrubar. Em Dezembro de 1942 vemo-lo ao lado de José e Vitorino Magalhães Godinho, Gustavo Soromenho, António Macedo, Mário Cal Brandão, Paulo Quintela e Teixeira Ribeiro (de quem o seu filho Artur haveria de ser assistente) a fundar o Núcleo de Doutrina e Acção Socialista. Em 1958 encontramo-lo a embarcar com Artur Andrade no comboio para ir a Lisboa convidar Humberto Delgado para se candidatar à Presidência da República. Três anos depois, dá uma mão ao velho general, que andava fugido da polícia, escondendo-o em casa de um amigo. E assim continuou até que, a seguir ao 25 de Abril, ele e o seu grupo (Artur Andrade, Emídio Guerreiro, José Augusto Seabra, Artur Cunha Leal, Olívio França, Nuno Rodrigues dos Santos) aderem ao PPD.(…) Artur Santos Silva podia dizer com a legitimidade e propriedade do clássico: 'Eu, moralmente é que tenho as minhas elegâncias'. Todos aqueles que o conheceram convergiam nessa homenagem: 'É uma daquelas pessoas que nunca mais se esquece.'»[1]
«E, por fim, apelo ao fraterno irmão que não tive, Artur Santos Silva, que, na linhagem magnífica e exemplar de seu avô Eduardo e de seu pai Artur (Artur Santos Silva (pai)) (a quem eu próprio tratava por Pai Artur tanto eram por ele o meu afecto e tamanha a minha admiração) caminha o caminho caminhado pelos seus, o da mais alta e recta cidadania, da probidade e inteireza do carácter, da coragem moral na demanda dos valores da República, das liberdades e da democracia.» .
Foi assim que Miguel Veiga falou no elogio fúnebre a Artur Santos Silva.
Amanha , 2 de Outubro, será justamente homenageado na Fundação Mário Soares, sendo oradores principais Fernanda Mota Pinto e Miguel Veiga.
A ir.

1 comentário:

Anónimo disse...

grande Homem