Google+ Followers

Google+ Followers

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

CABINDA, UÉ


A Associação Tratado de Simulambuco-Casa de Cabinda, vem mais uma vez manifestar a sua profunda preocupação, pelas Detenções Arbitrárias, feitas em Janeiro de 2010, em Cabinda.

Conforme denúncias recebidas por esta Associação, foram detidos os seguintes cidadãos:

1 – André Zeferino Puati, trabalhador da Chevron, detido a 08.01, às 05h 30m da Manhã.

2 – Benjamim Fuca, ex-Polícia, detido.

3 – Belchior Lanso Tati, Professor Universitário, detido a 13.01, por volta das 15 horas.

4 – Padre Raul Tati, foi Secretário Geral da CEAST, detido a 16.01, cerca das 18h 30m.

5 – Francisco Luemba, Advogado e Professor Universitário, detido a 17.01 , às 06h da Manhã.

Todos ficaram detidos em Condições Degradantes.

Respeitáveis Ong’s e Observadores Independentes, Jornalistas, já tinham alertado para a possibilidade de repressão indiscriminada contra a População de Cabinda, após o incidente com a Equipa do Togo, ocorrido por volta das 15 horas do dia 08.01, que condenamos veementemente, mas que não pode servir de pretexto para a detenção indiscriminada de respeitáveis Cidadãos.

Os Detidos são Membros da Sociedade Civil, ligados à Defesa dos Direitos Humanos no enclave e participaram em vários Relatórios de Violação dos Direitos Humanos em Cabinda.

Esta Onda de Prisões a Respeitados Intelectuais, deixa Cabinda mais fragilizada e com maior dificuldade em alcançar uma Paz duradoura.

Alertamos mais uma vez a Igreja de Cabinda, representada pelo seu Bispo Dom Filomeno Vieira Dias, a pronunciar-se sobre estas e outras Detenções Arbitrárias, “do Povo que lhe está confiado”, e sobre as constantes Violações de Direitos Humanos em Cabinda, que ele diz desconhecer.

A Associação Tratado de Simulambuco-Casa de Cabinda, condena todo o uso de Violência e de Terror contra o Povo de Cabinda e apela à libertação imediata de todos os Prisioneiros de Consciência em Cabinda.

Lisboa, 1 de Fevereiro de 2010.

A Direcção da Casa de Cabinda,

Fernando Higino,

Maria João Sande Lemos,

Margarida Mayer,

Nascimento Augusto,

Manuela Serrano,


2 comentários:

Orlando Castro disse...

São ainda algumas as entidades não governamentais que resistem à Oferta (mais ou menos) Pública de Aquisição (OPA) levada a cabo, em relação a Cabinda, pelo regime colonial angolano.

São disso prova a Amnistia Internacional e a Human Rigths Watch que, por regra comprovada no terreno, alertam os governos ditos civilizados (esses sim já rendidos à OPA) que as autoridades coloniais angolanas continuam a prender sem culpa formada e obviamente apenas por delito de opinião, os defensores dos Direitos Humanos em Cabinda.

Francisco Luemba, um proeminente advogado e antigo membro da extinta organização dos Direitos Humanos Mpalabanda, foi detido no dia 17 de Janeiro e acusado de crimes contra o Estado, em conexão com a publicação em 2008 do livro «O Problema de Cabinda Exposto e Assumido à Luz do Direito e da Justiça» que as autoridades ocupantes alegam agora incitar à violência e rebeldia.

Permitam-me recordar, com cada vez maior orgulho, a honra que tive em ser o autor do prefácio desse livro de Francisco Luemba,

O Padre Raul Tati, foi detido no dia 16 de Janeiro e acusado dos mesmos crimes, enquanto Belchoir Lanso Tati, outro antigo membro da Mpalabanda, foi detido a 13 de Janeiro, também acusado de crimes contra o Estado. Tanto o Padre Tati como Belchoir foram porta-vozes das tensões políticas de Cabinda, onde a Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC) tem liderado uma campanha armada pela independência do território, desde a independência de Angola, em 1975.

Curiosamente os jornalistas de uma forma geral, os portugueses em particular, têm dificuldade em falar do livro de Francisco Luemba, apesar de editado em Portugal e ter tido duas apresentações públicas, uma em Lisboa e outra no Porto.

Tal como têm dificuldade em falar da ocupação colonial levada a cabo por Angola. Falam com mias facilidade do Tibete. Compreende-se. A culpa não é dos jornalistas. A culpa é dos donos dos jornalistas e dos donos dos donos que já aceiram a OPA do regime angolano.

Refira-se que este livro de Francisco Luemba é uma completa enciclopédia sobre Cabinda, território que ontem foi protectorado português, que hoje é uma colónia de Angola, mas que um dia será um país.

Do ponto de vista histórico, documental e científico o livro de Francisco Luema é a melhor obra que até hoje li sobre Cabinda.

Espero, por isso, que tanto os ilustres cérebros que vagueiam nos areópagos da política portuguesa como os que se passeiam nos da política angolana, o leiam com a atenção de quem – no mínimo – sabe que os cabindas merecem respeito.

Verdade é que o governo colonial angolano continua a impor em Cabinda a mesma regra que a sua congénere portuguesa impunha em Angola antes do 25 de Abril de 1974: prender todos aqueles que fossem contra as injustiças do regime.


É claro que as autoridades coloniais angolanas aproveitaram o incidente com a equipa de futebol do Togo para tentar arrasar, de uma vez por todas, aqueles que em Cabinda (e não só) entendem que devem lutar pacificamente pela sua causa.

As autoridades coloniais angolanas detiveram pelo menos oito homens desde o ataque, alegando à velha maneira das antigas potências coloniais «crimes contra a segurança do Estado», não se coibindo de tratar essas pessoas como terroristas.


Relembre-se, até porque o Alto Hama não aceitou a OPA..., tantas vezes quantas forem necessárias, que, no passado dia 26 de Janeiro, em Bruxelas, o padre Casimiro Congo disse algo que define sublimemente os cabindas e que as autoridades coloniais angolanas nunca deverão esquercer: “Diante de Deus, de joelhos; diante dos homens, de pé”.

Jorge Casimiro Congo lamentou também a posição do Governo português (já rendido à OPA), de condenar apenas o que classificou como um ataque terrorista durante a Taça das nações Africanas (CAN), afirmando que “Portugal é o ultimo a falar, não deve ser o primeiro a falar”.

E Porquê? Por que “Portugal é que é o culpado do que acontece em Cabinda. Não nos aceitou, traiu-nos”.

Orlando Castro

Anónimo disse...

Portugal eternamente o Bôbo e o
Bombo da Festa.De um lado chove,
do outro,faz vento.Os males que vêm
ao mundo,é por culpa dos Portugue_
ses,por causa da politica e dos po_
líticos,que temos,todo o mundo nos
CÁGA em cima.Agora já não somos
os "Exploradores"mesmo assim ainda
pagamos a factura dos desmandos e
ganâncias que os "libertadores"de
África,têm semeado para seu provei_
to?não do povo Africano.Não há pa_
chorra.