Google+ Followers

Google+ Followers

segunda-feira, 7 de maio de 2012

NOS TERRA


"Está agendado para o próximo dia 11 deste mês o arranque oficial do projecto WACS, o cabo submarino que começou a ser instalado em 2009 entre a Inglaterra e a África do Sul com passagem por Cabo Verde. Além do nosso país, que através da Cabo Verde Telecom investiu 50 mlihões de dólares, a fibra óptica euro-africana foi amarada também em Portugal, Canárias, Gana, Costa do Marfim, Nigéria, Angola, Camarões, RD Congo, Republica do Congo, Togo e Namíbia. No total, este projecto de 650 milhões de dólares percorre 14 mil quilómetros, sendo por isso a mais longa e eficaz infra-estrutura de telecomunicações entre a Europa e a costa africana.
Agora, concluída a instalação física do cabo submarino de fibra óptica, a Comissão Gestora do projecto ultima os preparativos para o arranque operacional do WACS, uma tecnologia “com capacidade e qualidade para sustentar todas as necessidades e exigências de banda-larga que a Sociedade da Informação e do Conhecimento nos coloca nos dias de hoje. Por outro lado, este novo cabo virá resolver estruturalmente, e em definitivo, o problema da continuidade e segurança das comunicações internacionais de Cabo Verde”, garante a CVT.
Os promotores do WACS sublinham, no site oficial do projecto, que este novo cabo de fibra óptica vai permitir acessar com maior rapidez à Internet de banda-larga, além de garantir maior segurança. “Estes cabos são feitos de fios de vidro que têm uma espessura parecida à de um cabelo humano. Através desses fios, os feixes de luz, a luz laser, são emitidas a uma velocidade extrema, ou seja, 5,12 terra-bytes por segundo, muito mais do que a região pode provavelmente precisar. Essas frequências muito altas de luz laser é que transportam a informação, os dados, entre computadores na África Ocidental e na Europa, América do Norte e o resto do mundo”, explica o director do WACS.
Analistas acreditam que o arranque do funcionamento da fibra óptica euro-africana irá fazer baixar os preços da internet na região. “O impacto económico pode ser enorme. O Banco Mundial diz que cada aumento de 10 por cento em conexão de banda larga impulsiona o crescimento económico em 1,38 por cento. O cabo WACS sozinho pode aumentar a conectividade em mais de 20 por cento”, estima o consórcio responsável pelo projecto, que espera com o WACS imprimir novo impulso ao mercado de 3G já em expansão em África.
Para Cabo Verde este é o seu segundo cabo submarino internacional em fibra óptica, depois do Atlantis II."

Sem comentários: