Google+ Followers

Google+ Followers

sexta-feira, 13 de abril de 2012

AFINAL!!!!


O ministro da Defesa Nacional e os quatro chefes militares estão neste momento reunidos para discutir a situação na Guiné-Bissau e uma eventual deslocação de tropas portuguesas para aquele país, confirmaram várias fontes à agência Lusa.
Fontes do setor da Defesa adiantaram que a reunião, que decorre no Ministério da Defesa, começou pouco antes das 16:00.
A Força de Reação Imediata (FRI) das Forças Armadas portuguesas está a elevar o seu nível de prontidão devido ao agravamento da situação na Guiné-Bissau, disseram à agência Lusa fontes militares.
Segundo as fontes, forças especiais, paraquedistas e fuzileiros receberam ordens nas últimas horas para aumentar a velocidade de resposta para "acautelar" qualquer eventualidade.
A FRI, que tem meios dos três ramos das Forças Armadas que variam consoante o tipo de missão, pode ser deslocada em 72 horas e é comandada pelo chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA).

Mas então parece que os Militares ainda servem para alguma coisita, não????

1 comentário:

Anónimo disse...

Ex.mos Senhores Almirantes.Descul_
pai a minha franqueza e frontalida_
de.Há cinquenta anos muitos de nós,
entre outras circunstâncias, pelo menos pelo dever moral para com ou_
tros portugueses,gente honesta que
buscava o sustento por essa África
imensa,fomos mobilisados para uma
guerra que todo o mundo fomentou e
denegriu mais ainda a má imagem do
Portugal daquele tempo(com a ajuda de muitos cá de dentro).Foi mais de
uma década de sangue;suor;lágrimas;
mortes e muitos vexames.Saímos de
África á pressa e com o "Rabo entre
as pernas"os PALOP sempre disseram
o pior de Portugal,nunca nos deram
ao menos o beneficio da dúvida.Ago_
ra voltamos a morrer lá,por causa
das desavenças internas deles?.Cadê
os USA;a China a ex-União Soviética
a OUA;Israel;os paises Escandinavos
Cuba,etc;etc,tão amigos que eles são(foram)com tantos comissários e
conselheiros politicos que lhes di_
ziam cobras e lagartos de Portugal,
não há agora ninguém que lhes faça
sentir a necessidade de serem uni_
dos;honestos e pacificos?.O meu
tempo do serviço militar,como é
óbvio já findou,Portugal nestas
circunstâncias não tinha que se en_
vergonhar de mim,nem eu, nem um filho meu "alinhavamos"numa causa
destas.Desculpem a ignorância deste
modesto cidadão português.
Anibal Martins.