Google+ Followers

Google+ Followers

quinta-feira, 19 de abril de 2012

VEM AÍ O LOBO


"As Forças Armadas estão próximas da paralisia"


As afirmações de Passos Coelho também causaram surpresa ao bispo das Forças Armadas pois "há muito tempo que os militares foram preparados para novos desafios, para a visão da realidade" e "sempre o fizeram".
Dom Januário Torgal Ferreira diz ao Expresso que "o sistema militar nunca viveu acima das suas possibilidades, com mordomias ou exageros". Pelo contrário, "viveu sempre num clima de grande austeridade".
"Ao deixar no ar que têm que estar preparados para restrições dá impressão que nunca as tiveram e não querem acompanhar o ritmo da sociedade, quando têm tido implacáveis restrições como os outros", critica.
O Expresso contatou ainda o antigo Chefe de Estado Maior das Forças Armadas, o general Loureiro dos Santos, para quem o discurso do primeiro-ministro "não têm novidade nenhuma".
"Disse que os militares têm que estar preparados para fazer o que é necessário fazer, e faz parte da missão dos militares, e disse que o Governo vai respeitar a condição dos militares, o que também está na lei", sintetizou o general.
Questionado sobre se Passos Coelho terá deixado um aviso, responde: "Eu não posso ser adivinho, se disse porque é óbvio ou se tem algo que pretende fazer ou propor aos militares".
Todavia, Dom Januário Torgal Ferreira considera que se trata de "um prefácio ressequido, uma preparação matreira - mas acho que a opinião pública já há muito tempo apanhou o jogo -, para dizer que têm que apertar o cinto e preparem-se para as restrições".
Pereira Cracel garante que "a condição militar tem vindo, ao longo do tempo, a ser desprezada" e as "as Forças Armadas estão próximas da paralisia, sem dinheiro para combustíveis, para a sua manutenção e funcionamento". Uma situação agravada com os cortes nas remunerações e promoções.


Ler mais: http://expresso.sapo.pt/discurso-de-passos-coelho-cai-mal-entre-os-militares=f719784#ixzz1sRFz0MTl

1 comentário:

Allen disse...

Dom (È nome próprio, apelido ou diminutivo?) Januário deve estar a referir-se ao tempo que passou no EMGFA, quando ganhava ordenado de brigadeiro isento de impostos e se deslocava constantemente sem despesas mas ganhando ajudas de custo de oficial general. Sem mordomias.