Google+ Followers

Google+ Followers

quinta-feira, 15 de março de 2012

CSDN


"O Conselho deu parecer favorável, por unanimidade, à proposta do Governo  sobre os destacamentos das Forças Armadas para operações militares no exterior,  em 2012, em que são dadas por findas as participações nas operações 'Ocean  Shield', no Índico, e 'Althea', na Bósnia-Herzegovina", refere o comunicado,  lido no final da reunião pelo secretário do CSDN, major-general Goulão de  Melo. 
O Orçamento do Estado para 2012 prevê um corte de cerca de 30 por cento  nas despesas com Forças Nacionais Destacadas - uma redução de 23 milhões  de euros. 
O CSDN, que se prolongou por mais de duas horas, aprovou ainda a decisão  de Portugal participar, "no âmbito da União Europeia, na 'Operação Atalanta',  para proteção do tráfego marítimo e prevenção de atos de pirataria ao largo  da Somália com uma fragata e cerca de 200 militares, durante dois meses,  e na formação de forças somalis com 16 militares". 
Em 2012 está ainda prevista a participação portuguesa, com caças F-16,  na missão da NATO de policiamento aéreo na Islândia, por dois meses. 
No comunicado lê-se ainda que este órgão consultivo do Presidente da  República para a Defesa Nacional reuniu em sessão ordinária, tendo "analisado  a situação relativa" ao setor "no quadro do programa de assistência económica  e financeira a Portugal". 
O CSDN debruçou-se também sobre o desempenho das forças portuguesas  em missões no exterior, bem como sobre "a evolução previsível das participações  no âmbito da União Europeia, da NATO e das Nações Unidas. 
Para além do Presidente da República, o CSDN é composto pelo primeiro-ministro,  pelos ministros da Defesa, dos Negócios Estrangeiros, da Administração Interna,  das Finanças, da Indústria e Energia  Transportes e Comunicações. 
Têm também assento os quatro chefes militares das Forças Armadas, os  representantes da República para as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira,  os presidentes dos Governos Regionais dos Açores e da Madeira, o presidente  da Comissão Parlamentar de Defesa e dois deputados da Assembleia da República.*
Lusa

*Nota:1 dos deputados eleitos é João Soares.O outro é Correia de Jesus

2 comentários:

Anónimo disse...

Mas como é possível ?????

Isto é mesmo brincadeira

LGF

Manel disse...

Com a devida vénia transcrevo o seguinte comentário posto num blog e acerca da reunião em questão:
"Rodrigo Sousa Castro : Mais uma instituição dita democrática para sancionar as tropelias que têm sido feitas aos militares. Com o snr. Comandante Chefe e tudo, que não tem levantado uma palha a defender o que lhe cumpre defender. Aliás, o PS sempre foi muito avesso ao longo de décadas no reconhecimento das especificidades da condição militar, e portanto é corresponsável na situação a que isto chegou."