Google+ Followers

Google+ Followers

domingo, 2 de setembro de 2012

A LER


 Com a devida vénia, publicamos a carta de um camarada ao Expresso

Escrevo, não escrevo? Afinal, sem grande empenho, decidi-me a escrever.
Porquê? Leio sempre as «Cartas dos Leitores» e faço-o por duas razões; a primeira para compartilhar outras preocupações e a segunda é para aquilatar dos critérios de quem selecciona as cartas publicadas.
Fazem-se descobertas interessantes, mesmo que de certo modo subjectivas.
A carta do Sr. António Catita (AC) de 2012-08-04 no «Expresso», onde a sua opinião deve ser altamente considerada (outra a 18/8 e de novo a 1/9), trata de «Os Acertos das Contas do Estado» em que justamente, na nossa opinião, considera «inaceitável que a TAP ou a RTP fossem vendidas» e sugere «uma medida que nações poderosas (Estados Unidos, França, Espanha) /adoptaram/…: cortar drasticamente nas missões militares, nas despesas em efetivos e armamentos e, por que não, tentar fazer receita com a venda dos submarinos e outros aparelhos de combate.»
Nada de novo! Repete o exaustivamente veiculado pela Comunicação Social.
Penso que um Jornalismo responsável tentaria esclarecer AC, lembrando que guerras  é o que mais vai acontecendo neste mundo e, pior, que há muito que se prevê que venham a ocorrer e por razões tão actuais como o problema da falta de água. Mas pretextos não faltarão onde convier a inconfessáveis interesses.
Se os poderosos podem diminuir as suas Forças, aos fracos convém, se não puderem aumentá-las, tê-las bem treinadas de modo a não serem pesos mortos nas suas Alianças e em causas internacionais, para que possam invocá-las em extrema causa… nacional.
Cita AC a Espanha cujas FA.s, curiosamente, não cessam de crescer face a inimigos externos que não vislumbramos mas que no assunto da água que de lá nos vem, tem posto o mar onde nos mapas de todo o mundo começa Portugal. Aliás os “nuestros Hermanos” declararam oficialmente, há anos, que além dos quatro submarinos que tinham, estavam dispostos a aumentar, aos 9 (nove) novos submarinos, mais três se Portugal perdesse essa capacidade.
Terá AC a noção da dimensão da nossa ZEE ou da Plataforma Continental (PC - território submerso) que a ONU reconhecerá a Portugal? Dos ilícitos que temos de fiscalizar na ZEE ou das riquezas que, na PC, teremos de vir a defender da cobiça alheia? Ou, já agora, das correspondentes espanholas? Quantos submarinos por Km 2 de mar… espanhol? E de mar … português, actual (ZEE) e futuro(PC)?
E saberá AC como vai a Europa de submarinos?
Das nações europeias tradicionalmente neutras, a Suécia e a Suíça dispõem de F.A.s significativas, modernas e treinadas e os seus cidadãos não se queixam e até têm muito orgulho nelas. A Suíça sendo sede das maiores Companhias de Navegação da Europa (a par da Dinamarca!) é uma Potência Marítima que não tem (ainda) submarinos mas  que tem, ao longo da vida, Serviço Militar… Obrigatório.
Nós não temos Marinha de Comércio, da de pesca é o que se sabe e em termos Navais-Militares, seguindo AC, caminharíamos para um Zero Naval como o do Ultimatum com que, impotentes, os nossos mais antigos Aliados (!) nos usurparam o Mapa Cor-de-Rosa.
A solução económica seria termos três submarinos mas infelizmente não produzimos riqueza para o nosso país ter os que precisa mas apenas para os dois submarinos e para os milhões mal parados dos que, impunes, nos terão defraudado e que, certamente, preocupam AC com toda a razão.
A propósito, no momento em que o «Expresso» publica uma elucidativa «História de Portugal»,  induzir num povo a ideia de que o horror da Guerra nunca mais lhe baterá à porta não será, se ainda existir tal, Crime de Lesa Pátria? Uma dúvida que perpassa o meu espírito.

Rui Manuel Ramalho Ortigão Neves

Sem comentários: