Google+ Followers

Google+ Followers

segunda-feira, 12 de julho de 2010

AINDA NOS RESTARÁ O MAR?


VADIO POLÍTICO


Só sentimos falta do que temos
Quando, na verdade, o perdemos.

Conserve-se a fama e a glória
Dos antanhos de Portugal
E de tão notável História.

Na cabeça, no coração,
No País, na Nação,
Pode haver ordem ou caos,
Vergonha ou sem pudor.

Cometeu-se a iniquidade
De traficar chão sagrado,
Com lágrimas e sangue regado.
Uma tal indignidade
Em Santa terra de cristão,
Mais que crime, foi pecado.

Hoje são “senhores”,
Janizaros, usurpadores,
Leiloeiros da Pátria
-Acto vil e mísero-,
Demagogos, cata-ventos,
Bem falantes, bem tratantes
(muitas vezes bons tratantes),
não distinguem céu e chão.
Arte de camaleão. 

Vagabundos tunantes,
Com perfídia semearam
Ódio, inveja, traição.
Agora, lá dos seus pedestais,
Proclamam doutorais:
“Só os burros não mudam...”

Como eles tanto mudaram,
O silogismo completaram:
“...Logo, burros não somos.”
Treinam ar sério e terno.
Exigências do Governo...

João Coelho dos Santos

Sem comentários: