Google+ Followers

Google+ Followers

quinta-feira, 27 de junho de 2013

SELL , SHE SAID

Lá se vão mais uma joias da Coroa

"A Secretária de Estado Adjunta e da Defesa Nacional afirmou, esta quarta-feira, que “honrar a nossa história [militar] é uma obrigação, que deve ser partilhada com toda a sociedade” e que esta partilha “deve ser orientada para o culto do orgulho nacional”.
Berta Cabral falava para uma audiência composta pelo Chefe do Estado-Maior do Exército, General Pina Monteiro, pelo responsável pela Direção de História e Cultura Militar (DHCM), Major General Santos Carvalho, e por outros oficiais do Ramo com ligações a esta área, no decurso de uma visita a órgãos de natureza cultural do Exército.
A visita começou na zona oriental de Lisboa, no Convento de Chelas, onde está instalado o Arquivo Geral do Exército, o arquivo intermédio com a missão de recolher, tratar e conservar os documentos produzidos pelas Unidades, Estabelecimentos e Órgãos do Exército até à perda da utilidade administrativa. Nessa altura, depois de avaliados pela Comissão de Classificação de Documentos, alguns passam para o Arquivo Histórico Militar.
Já no Campo de Santa Clara, na DHCM foi comprovado o apoio deste organismo à investigação, recolha e divulgação dos valores culturais militares, a par da pesquisa, preservação e estudo do património e dos documentos históricos militares. Esta ação estende-se tanto aos que constituem espólio dos arquivos, bibliotecas e museus na dependência direta da DHCM como aos que dependem de Unidades, Estabelecimentos e outros Órgãos do Exército.
No Prédio Militar 50, além da visita à Biblioteca do Exército – uma biblioteca pública especializada, vocacionada para a área histórico-militar –, a Secretária de Estado Adjunta e da Defesa Nacional recebeu informação sobre os planos de constituição de Polo Cultural do Exército no eixo Campo de Santa Clara-Santa Apolónia, onde está instalado o Arquivo Histórico Militar – que preserva todos os documentos de valor histórico relativos ao Exército – e o Museu Militar em Lisboa, onde está exposto um conjunto de armaria, pintura, escultura e painéis de azulejos que ilustram acontecimentos relevantes da História de Portugal, em 34 espaços e salas.

Do Polo Cultural do Exército farão parte, além da própria DHCM, a Biblioteca do Exército, o Museu Militar de Lisboa, o Arquivo Histórico Militar e o Arquivo Geral do Exército, cuja transferência de instalações está em projecto."

Já deve haver um civil amigalhaço para presidir a uma comissão que depois .....nem digo mais.

2 comentários:

J.N.Barbosa disse...

Não se deve mostrar nada para não lhes dar ideias.

Anónimo disse...

Já deve haver uma biblioteca qualquer nas Flores , esperando parte do espólio