Google+ Followers

Google+ Followers

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

ERA....

O MARINHEIRO

Noutros tempos, quando havia
Navios no "Quadro", amarrados
Por todo o lado se via
Os Marinheiros fardados.

E à noite, pelas vielas
Na cidade, em todo o lado
O Marinheiro ia às tabernas
Ouvir cantar o Fado.

Intendente, Benformoso,
Martim Moniz, "Campainhas"
O Fado, mulheres e copos
E os rapazes da Marinha.

O Marinheiro percorria
Toda essa velha Lisboa
Bairro Alto, Mouraria
Alfama e Madragoa.

Noite alta, regressa ao Lar
Já cansado e sem dinheiro
Rumo à Rua do Arsenal
À "Casa do Marinheiro".

Lenços brancos a acenar
No cais e à despedida
Lá vai para o Além-Mar
É militar, é a sua vida.

Esses briosos rapazes
Na Farda faziam gala
A Manta de Seda, o Alcache
Já ninguém vê, ninguém fala.

Autor: Desconhecido

3 comentários:

José Sousa e Silva disse...

Gostei francamente.
Mas isso era dantes !...

Anónimo disse...

Tambem fui desse tempo.
Já não volta.
E a E.A.M. também não!
Fernando Boaventura

Machado disse...

Era fantástico, mal saltavamos da vedeta para a doca da Marinha,Lisboa, embrenhava-mo-nos por todos estes itinerários "obrigatórios". Nesses anos sentíamos orgulho em ser Marinheiros e andar fardados.

Adão Machado
EAM OUT/1965