Google+ Followers

Google+ Followers

domingo, 17 de junho de 2012

A RESPONDER???


Qualquer um de nós tem a noção de que, à semelhança de outras éreas, a Saúde Militar tem vindo a ser menosprezada, em idêntica postura dos responsáveis políticos perante outras matérias relevantes para os militares, em claro desrespeito dos “especiais direitos” consagrados na Lei nº 11/89, de 1 de Junho, “Bases gerais do estatuto da condição militar” que deviam servir de contrapartida ao leque vastíssimo de restrições e deveres a que estamos sujeitos.
Conhecemos, para já, um drástico corte nas verbas destinadas a suportar os encargos com a ADM: 30% em 2012, 20% em 2013, e com cortes sucessivos até ao seu autofinanciamento em 2016, não se sabendo com que custos para cada militar.  
Por outro lado, num processo que se vem arrastando desde há bastante tempo, encontra-se na agenda, como todos saberão, a criação do Hospital das Forças Armadas, situação que, independentemente da razoabilidade que, em abstracto, poderá justificar tal objectivo, nos deixa deveras apreensivos pelas consequências que daí poderão advir, quando confrontados com os resultados proporcionados aos militares e suas famílias.
Por isso, no intuito de, no terreno, colher a opinião dos camaradas sobre a vivência de cada um relativamente a questões relacionadas com a Saúde, solicitamos que tirem um pouco do vosso tempo para preencher o inquérito que poderá ser acedido através do link referido abaixo. Dessa maneira proporcionar-nos-ão elementos que, convenientemente tratados, certamente, nos ajudarão a ajuizar do estado da Saúde Militar.
Cordialmente
O Presidente da AOFA
Manuel Martins Pereira Cracel
COR TPAA

Inquérito sobre a Saúde Militar – para aceder e responder basta utilizar o seguinte link:


1 comentário:

Anónimo disse...

Ex.mo Sr.
Poucos são os portugueses que quer estejam em trabalho activo ou na reforma dispõem de um corpo, bem grande, de médicos que os apoiem a custo zero e a um preço mais que simbólico para as suas famílias. A estes mesmos indivíduos é-lhes garantida comparticipação se recorrerem à medicina privada. O que conheço do país leva - me a acreditar que são mais do que priviligeados comparativamente aos restantes cidaddãos.Compreendo que a ADM comparticipe as consultas e os tratamentos na privada aqueles militares ( e seus familiares) desde que não haja disponibilidade, em tempo razoável, para serem atendidos nos estabelecimentos de saúde militar.O recurso à medicina privada fora destas circunstâncias não pode, nem deve ser comparticipada. O pouco que conheço da situação permite-me apontar um muito largo número de casos de militares( e familiares) que não vão às consultas dos hospitais militares para irem a consultórios dos médicos militares.A reunificação dos hospitais militares parece-me uma medida tão racional e lógica que nem me merece qualquer outro comentário.
Quer-me parecer que existe uma grande falta de vergonha quando alguns militares vêm queixar-se acerca do apoio de saúde que têm.