Google+ Followers

Google+ Followers

domingo, 5 de fevereiro de 2012

BOA!!!


A Marinha de Guerra de Moçambique implementa o cultivo de Batata-doce de polpa alaranjada, no quadro da Logística de Produção em curso nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM).
O lançamento da campanha, teve lugar em finais do mês de Dezembro último no centro de Fuzileiros Navais de Ka Tembe, uma unidade da Marinha de Guerra de Moçambique, sedeada na Cidade de Maputo, numa extensão de aproximadamente, um hectare.
Segundo o Chefe da Logística de Produção da Marinha de Guerra, Primeiro-tenente Fernando Mendonça, para a concretização deste projecto houve a necessidade de estabelecer parcerias com outros órgãos do Estado, concretamente o Instituto de Investigação Agrária (IIAM) e o Centro Internacional da Batata, do Ministério da Agricultura, tendo em vista assegurar a formação e treinamento de militares em matérias de produção e processamento da batata-doce de polpa alaranjada, bem como outros acordos na área de exploração florestal entre outras.
A opção por esta cultura deve-se ao facto dela adaptar-se extensivamente às diversas zonas agro-pecuárias e pode produzir algum rendimento económico. O cultivo da batata-doce, tem entre outros objectivos, contribuir para a melhoria e reforço da dieta do militar e habilitar os jovens militares no uso e aproveitamento da terra bem como obtenção de excedente que vendidos podem criar reservas monetárias para a sua sustentabilidade na vida civil após a passagem de disponibilidade. batatadoce2
“A batata-doce é uma cultura bastante rica em vitaminas e pode contribuir, de certa forma, para o controlo de certas doenças na vida do militar o que pode assegurar sucessos no seu trabalho dado que ele está sujeito, pela natureza do seu trabalho, a muitas intempéries”, afirmou o primeiro-tenente Mendonça. Disse ainda que a cultura de batata-doce de popa alaranjada reveste-se de uma importância impar não só pelo seu sabor como também as suas raízes podem ser aproveitadas para, entre outras coisas, serem consumidas cosidas, assadas, estufadas, fritas em forma de purés, papas e sumos. Esta cultura é rica em carbohidratos, regulador de pressão sanguínea e prevê a eclosão de certos tipos de cancros.
A fonte disse, por outro lado que as suas raízes também podem ser aproveitadas para alimentação animal, na componente de rações para bovinos e suínos, de forma natural, picada ensinada ou de forma de farinha.
O cultivo da batata é muito viável que não carece de muita água e solos, mais importante é o controlo das pragas e doenças, assegurar o mínimo da rega para permitir que haja resultados positivos Assegurou o Chefe da Logística da Marinha de Guerra.
Segundo previsões, a primeira colheita da batata-doce de polpa alaranjada, poderá ter lugar em Maio próximo e depois será lançada para todas as Unidades da Marinha de Guerra de Moçambique.
Tomaram parte da actividade, militares da Marinha de Guerra, seleccionados em todo País. Texto: Capitão-Tenente, Custódio Massingue, fotos: Dias Rufino
 

2 comentários:

Allen disse...

ò Manel, esse Ka Tembe é consequência do novo acordo ortográfico? É que quando lá estive era Catembe, até porque a fonetização dos termos africanos foi a portuguesa. Um abraço

Manel disse...

Sr. Comandante Guilherme Allen.
É sempre um grande prazer ter os seus comentários neste blog, que a todos nós , Marinheiros, pertence.
Muito obrigado e Ká Tembe!!!!