Google+ Followers

Google+ Followers

terça-feira, 30 de novembro de 2010

ÀS ARMAS


“Caros Camaradas

Não entendo que para se constituir um Hospital das FAs, seja necessário sacrificar o hospital dum dos ramos, concretamente o Hospital da Marinha, que tem, reconhecidamente, características específicas, únicas e necessárias, que são contributos valiosos e indispensáveis, para o País, para as Forças Armadas e para Marinha.
Não compreendo como, em nome da constituição dum HFA, se comece por desarticular aquilo que vem funcionando de forma satisfatória, por vezes mesmo exemplar - o SSM.

Aquilo que está em causa é a continuação da existência do Hospital da Marinha, um hospital que terá alguns defeitos, que não lhe são exclusivos. Todos os hospitais, civis, militares, públicos e privados, têm qualidades e defeitos, dias bons e dias maus. Depende, do momento que atravessam, das administrações respectivas, dos chefes de serviço e demais profissionais, do pessoal que está nas urgências, do dia que estão a ter, do que aconteceu na véspera, do que se espera para o dia seguinte, etc.
O HM não é pior, nem melhor, mas é o NOSSO Hospital!
O Hospital de Marinha é um modelo de funcionamento económico (já conhecem os números do desastre económico-financeiro do SNS nos últimos 2 anos?)
Documentem-se, leiam a história do Hospital da Marinha, informem-se sobre o seu funcionamento actual e pensem no futuro.

Quando nos interrogamos sobre o impacto que as alterações que se vislumbram poderão ter sobre as diferentes vertentes da saúde militar, quando nos mostramos indiferentes à ameaça de desaparecimento do Hospital de Marinha (e com ele por certo também o do Centro de Medicina Naval), devemos pensar no contributo que ambos têm no sucesso da prestação de cuidados de saúde à família naval. Cuidar, tratar, não é a mera dispensa de medicamentos e tratamentos. É estabelecer empatia com quem necessita deles e fazer isso num ambiente que lhes transmita ânimo. É reconhecermos o local e os profissionais de saúde que cuidam de nós e, neles, os companheiros com quem comungamos uma formação e cultura militar comuns, da Marinha. Com o tempo, embarcar um médico doutro ramo das FA resultará possivelmente numa experiência positiva e numa câmara tão coesa e companheira como embarcar um MN! Com o tempo, até ele se habituará e achará graça aos nossos costumes e praxes! Com o tempo até gostaremos de o encontrar no Hospital da Marinha ou no CMN, e ele a nós! Mas para chegarmos a isso é preciso tempo, que é um ingrediente que continua a ser obstinadamente recusado a esta dita “reestruturação”- tempo para a gestão da mudança, que não se faz por despachos nem decretos.

Caríssimos,
Se não vos é indiferente que o Hospital da Marinha continue a existir, se acham que ele é peça importante da medicina operacional naval, então venham à Assembleia Geral Extraordinária, dia 9 de Dezembro, às 21.00, no CMN, onde estes problemas serão discutidos.
E passem palavra. É preciso interessar os camaradas mais jovens, a quem gostaríamos de fazer sentir que estamos a tentar preservar um legado que honra a Marinha, para eles tal como o queremos agora para nós.


Seja para uma participação mais informada, seja meramente para terem uma noção daquilo que está a acontecer, apelo à vossa paciência para continuarem a leitura.


No projecto de reestruturação do Ministro da Defesa e do CEMGFA, desaparecem o Hospital do Restelo (Exército) e o Hospital da Marinha, e sobrevivem a Estrela, o Porto e o Lumiar, “aumentados”. No meu modesto entendimento, o Hospital do Lumiar que se cuide, pois poderá muito bem ser a próxima baixa (não a infra-estrutura, evidentemente!) nesta “reestruturação” do SSM de que o Exército tem um entendimento muito próprio.
É lícito perguntar se aquilo que se pretende é constituir um HFA ou destruir o Hospital da Marinha, sacrificando para isso também o Hospital do Restelo.
“Reestruturar” não é implementar um conjunto de medidas avulsas por meio das quais umas instituições conquistam capacidades e meios que são subtraídas a outras. Aliás, quando há mais do que uma instituição envolvida passamos para o domínio das fusões e aquisições (hostis neste caso). Qualquer que seja a designação, não estamos a falar de intenções ou aspirações, mas de processos – transformações organizacionais profundas e complexas, que não podem ser decididas por mero desejo, mas na base de avaliações e expectativas realistas e que requerem avaliações prévias de custo-benefício, definição de objectivos finais e intermédios, calendários, equipas de acompanhamento, métricas, e cenários de contingência (saúde!...).
Um HFA forma-se, primeiro, por integração funcional dos meios existentes, nos locais onde se encontram, estabelecendo rotinas e protocolos, definindo claramente quais as especialidades que podem ser asseguradas por entidades convencionadas e aquelas que o serão por meios próprios, e estabelecendo estratégias para dar a estas uma dimensão e casuística que garanta o seu reconhecimento pela OM. Obter essa procura adicional de prestação de cuidados de saúde e as receitas correspondentes, e relacionar o todo com o SNS. Definir onde aplicar a regra de “extinguir quando vagar”, centralizar o aprovisionamento, resolver as diferenças de semântica, e estabelecer boas práticas e protocolos clínicos comuns. Em suma, constituir um “Centro Hospitalar das Forças Armadas”, com uma direcção em que estejam representados cada um dos hospitais militares existentes e que promova a harmonização dos processos, das organizações, e das culturas respectivas.
Aquilo que está a pretender fazer é precisamente o inverso, é começar por onde se devia acabar, e os problemas começarão depois do processo ser posto em marcha. Falta gerir a integração, as diferenças culturais e de práticas profissionais, definir quem chefia o quê, quem reporta a quem, etc., tudo isto agravado por um clima que se adivinha desfavorável. Sem a adesão do elemento humano, um processo destes será um fracasso e um sorvedouro de dinheiro, com consequências sérias na qualidade da prestação dos cuidados de saúde.

Mais uns apontamentos baseados no conhecimento que vamos tendo do esquema (que projecto não é!) de reestruturação do SSM.
Abandonada a ideia da instalação duma urgência cirúrgica no Hospital da Estrela, aponta-se agora para uma “urgência intermédia” (?), coisa que não se sabe bem o que é.
Sabe-se isso sim, que o Hospital da Estrela está bem rodeado de urgências em Hospitais do SNS próximos. Que uma urgência geral é suficiente para fazer a triagem e encaminhamento (referenciar, na gíria da saúde) de qualquer situação que se lhe depare. Que a diferença de necessidades em recursos humanos é enorme e que muitos terão que ser civis contratados. E que a diferença de custos de funcionamento é, também, enorme. Que os custos de instalação no Hospital da Estrela da dita urgência intermédia (estimativa de 1,5 milhões de Euros) serão uma parcela dos encargos com a adaptação de infra-estruturas para instalar as especialidades que para lá estão planeadas receber guia de marcha.

Na semana passada o Ministro da Defesa visitou o Hospital Militar do Porto. Não é difícil imaginar que lhe terá prometido um aumento de meios e capacidades (resultantes do desmembramento do Hospital da Marinha?)… para garantir um aliado na reestruturação pretendida. Mais alguns milhões ?


Camaradas,
Isto precisa de ser travado. Integração, sim claro, destruição de meios e de herança cultural, em nome de algo indefinido e que começa com o passo trocado, não.
Sendo certo que eu entrei nesta guerra por vontade própria, tenho formas de ocupar o meu tempo bem mais interessantes e divertidas.
Como todos vós, aliás, e como convém a um cidadão da nossa idade e formação.
Por isso só continuarei empenhado se esse for o vosso desejo e sentir.

Abraço a todos
VdaCunha


Nota:Carta ao Curso Corte-Real, que veio encriptada 




2 comentários:

José Sousa e Silva disse...

Excelente, meu caro Manel !
Parabéns, meu caro Vasconcelos da Cunha !
Como noutras circunstâncias e noutro lugar apetece-me gritar bem alto : SANEAR É DEITAR FORA AQUILO QUE NÃO PRESTA !!!
Por favor, senhores políticos, não deitem fora aquilo que presta !...

J.N.Barbosa disse...

O que é isso de Hospital do Restêlo? Será o da Boa-Hora? É mais perto de Alcântara do que do Restêlo...