Google+ Followers

Google+ Followers

quarta-feira, 5 de maio de 2010

LA VAI ELE

Portugal formou cerca de 3000 militares angolanos em 20 anos de cooperação Portugal formou cerca de 3000 militares angolanos em escolas portuguesas nos 20 anos que leva a cooperação técnico-militar entre os dois países e a vertente da formação é ainda um dos pilares do programa até 2014. O ministro da Defesa português, Augusto Santos Silva, que se encontra em Luanda para a assinatura do programa-quadro da cooperação técnico-militar para o triénio 2011-2014, explicou hoje aos jornalistas a estrutura deste programa, que poderá já incluir a sua extensão às áreas da indústria e tecnologias militares. “Como sabem, Angola é uma economia em franco crescimento com efeitos positivos nas exportações portuguesas, é o primeiro mercado extra comunitário para Portugal. Há interesses angolanos em Portugal e portugueses em Angola que testemunham essa nova fase das relações económicas que podem ser estendidas com vantagens mútuas à área da Defesa e segurança”, disse. Sobre o programa para os anos de 2011 a 2014, Santos Silva explicou-o aos jornalistas, durante um almoço com os elementos da cooperação militar portuguesa, onde estiveram ainda o ministro da Defesa angolano, Cândido Van-Dúnen, e o Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas de Angola (CEMGFAA), general Francisco Furtado. “Dos projectos a ser desenvolvidos entre 2011 e 2014 saliento o projecto de formação de militares angolanos em Portugal, que se desenrola há 20 anos, com 2889 militares angolanos formados em escolas portuguesas, também um segundo projecto, em matéria de saúde, onde mais de 300 militares angolanos foram já tratados em Portugal ao abrigo dos acordos relativos à assistência sanitária”, apontou o ministro português. “Queremos agora também, com a direcção de saúde das Forças Armadas Angolanas, trabalhar no sentido de as capacitar na vertente essencial que é a saúde”, sublinhou. E, apontando uma terceira vertente, relativa ao apoio à formação nas escolas militares angolanas, Augusto Santos Silva deu como exemplo o apoio à Escola Superior de Guerra e às academias dos ramos. “Dois novos projectos de apoio ao Estado-Maior do Exército e da Força Aérea no sentido de prestar assessoria técnica a processos de reforma, organização e gestão do conjunto das FAA tendo em conta que temos (Portugal) uma experiência recente de mudança profunda no sistema de organização das Forças Armadas e podemos oferecer esse perícia técnica aos países que nos são próximos”, frisou. Santos Silva destacou ainda o projecto de apoio às forças especiais, em que “Portugal tem também mais valias, dada a qualidade das suas forças especiais, sejam elas comandos, fuzileiros ou paraquedistas”.

Nota:Penso que também temos a especialidade politica de como se acaba com os militares , como se desprestigia uma corporação ,como se esquece quem lutou pela Pátria......

5 comentários:

Anónimo disse...

Só hoje soube da existência deste blog.

Já vi bastante para trás , mas ainda não todo e tenho de lhe dar os parabéns sinceros.

É uma pena não ser mais divulgado.
Deve fazer por isso.

Anónimo disse...

Não concordo. Eu acho que este senhor é um provocador e nada diz de construtivo.

Pedro Serradas disse...

Se não fossem anonimos seria mais interessante. O «provocador» e os seus amigos e outros frequentadores deste blog estão habituais a assumirem o que afirmam ..... defeito de formação.
Por sermos um Pais de anonimos é que chegamos aonde estamos
Tenham um bom fim de semana

Manel disse...

Meu Caro Senhor e Amigo frequentador.

Ser um "provocador" é uma qualidade que me vem de nascença.
Tenho é pena de o ser num mundo tão pequeno

Anónimo disse...

Estimado sr. Manel,quando o sr.diz
a verdade,verdadeira quando não"en_
carneira",é provocador?
CN